Em carta, servidores da Anvisa afirmam não servir 'aos interesses de governos' - ES360

Em carta, servidores da Anvisa afirmam não servir ‘aos interesses de governos’

Agência tem sido alvo de pressões dos governos federal e do Estado de São Paulo pela liberação da vacina contra a covid-19

Servidores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicaram uma carta aberta nesta quinta-feira, 10, afirmando que realizam um trabalho técnico e independente e que não servem “aos interesses de governos, de pessoas, de organizações ou de partidos políticos.” A agência tem enfrentado pressão dos governos federal e do Estado de São Paulo pela liberação da vacina contra a covid-19.

A carta, divulgada pela Associação dos Servidores da Anvisa (Univisa), diz que os profissionais estão a serviço do povo brasileiro e que a agência é uma referência na área de saúde.

“Pressões externas são inerentes ao trabalho desenvolvido por nós, servidores da Anvisa, mas o trabalho técnico está acima de qualquer pressão.”

Em reunião na última terça-feira, 8, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), cobrou uma posição do ministro da Saúde Eduardo Pazuello sobre a compra da Coronavac, vacina para covid-19 que está sendo desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantã, ligado ao governo paulista. O ministro respondeu que a Anvisa poderia levar até 60 dias para realizar a análise dos imunizantes.

Ainda nesta semana, interlocutores de Doria afirmaram que o governador pretende acionar o Supremo Tribunal Federal (STF) para seguir o plano de iniciar a imunização contra o novo coronavírus em 25 de janeiro de 2021.

Nesta quinta-feira, 10, a agência aprovou uma resolução com regras para permitir o uso emergencial de vacinas contra o vírus.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Dia a dia

Enfermeira que debochou de vacina é demitida da Santa Casa

País

Lewandowski abre inquérito para apurar atuação de Pazuello em Manaus

Dia a dia

Covid-19: Espírito Santo registra 48 óbitos em 24 horas; total chega a 5.716

Dinheiro

Se endividamento for menor, pode debater auxílio de até 6 meses, afirma Maia