Eleições 2020: Os desafios da disputa pela prefeitura da Serra - ES360

Eleições 2020: Os desafios da disputa pela prefeitura da Serra

Depois de 20 anos com alternância de poder entre Vidigal e Audifax, outros nomes entram na disputa pela prefeitura em 2020

Sede da Prefeitura da Serra Foto: Divulgação / PMS

Depois de mais de 20 anos com alternância de poder entre apenas dois nomes à frente da administração da Serra, as eleições deste ano serão marcadas pela saída de um deles da disputa, o atual prefeito Audifax Barcelos (Rede), que vai completar oito anos no cargo e não pode tentar a reeleição. Quem deve retornar para concorrer novamente é o deputado federal Sérgio Vidigal (PTB). Ele foi prefeito pela primeira vez em 1997 e no último pleito disputado, em 2016, ficou em segundo lugar na disputa com Audifax.

E além de Vidigal, que já chegou a vencer com 94% dos votos válidos em 2008, outros desafiantes devem entrar na disputa para movimentar o período eleitoral na Serra, uma das cidades mais ricas do Espírito Santo. Quem vem para defender o legado da atual administração é o vereador Fábio Duarte (Rede). Além dele, três deputados estaduais estão com pré-candidatura lançada: Vandinho Leite (PSDB), Bruno Lamas (PSB) e Alexandre Xambinho (PL). O deputado federal Amaro Neto chegou a ter seu nome citado como pré-candidato, mas desistiu de participar das eleições.

Na avaliação de Darlan Campos, consultor em Marketing Político, a principal mudança no cenário eleitoral da Serra é a presença, neste ano, de um número maior de candidatos conhecidos pela população, que podem ter presença de votos e entrar efetivamente na disputa.

“Uma das figuras desse processo com potencial importante é o deputado estadual Vandinho Leite, que já foi vereador e candidato a deputado federal com mais de 80 mil votos. Ele tem feito oposição na Assembleia e se aproxima de um perfil mais bolsonarista”, avalia.

> Eleições 2020: Vitória terá disputa aberta pelo poder

Bruno Lamas é outro nome conhecido na cidade. Além de já ter sido o vereador mais votado da Serra, é filho de Márcia Lamas, vice-prefeita, que também está na política há muitos anos no município. Um terceiro deputado estadual que deve entrar na disputa é Alexandre Xambinho (PL), com o apoio de Magno Malta, do mesmo partido.

Além do bloco de lideranças com mandato, outros partidos chegam com nomes para a disputa. O PT tem como pré-candidata Fernanda Souza, o PSC traz a delegada Gracimeri Gaviorno, que já foi chefe da Polícia Civil do Estado e o MDB vai levar para a disputa Márcio Greik, delegado da Polícia Federal.

Segundo Campos, um elemento importante na Serra será a campanha na rua e nas redes sociais, porque a cidade não tem propaganda na TV, o que torna o desafio ainda maior para os candidatos. “O que esse jogo coloca para a gente, primeiro, é o aumento do número de candidaturas majoritárias para posicionar o nome do partido e ajudar a eleger a chapa de vereadores. Com isso, a eleição na Serra tende a ser disputada e com muitos candidatos. Quem conseguir de 25% e 30% dos votos já pode se garantir no segundo turno”, frisa.

 

 


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Bem-estar

Buscas por meditação batem recorde na pandemia

Política

Supremo tem dez liminares valendo há mais de cinco anos

Dia a dia

Espírito Santo tem 7 mortes pelo coronavírus em 24 horas

País

“Vai comprar na Venezuela”, diz Bolsonaro a homem que reclamou de alta do arroz