Economia diz que não procedem rumores sobre pedido de demissão de Guedes - ES360

Economia diz que não procedem rumores sobre pedido de demissão de Guedes

Rumores ganharam força no mercado após o presidente Jair Bolsonaro criticar a proposta apresentada pelo ministro para o Renda Brasil

O novo bolsolulismo e a encruzilhada de Paulo Guedes. Foto: Edu Andrade/Ascom/ME
Ministro da Economia, Paulo Guedes. Foto: Edu Andrade/Ascom/ME

 

O Ministério da Economia negou no período da tarde desta quarta-feira (26), os rumores de uma convocação da imprensa para pedido de demissão do ministro Paulo Guedes. Segundo a assessoria de imprensa da pasta, Guedes “continua despachando normalmente” e está em videoconferência com secretários estaduais de Fazenda, conforme já previsto em sua agenda oficial

Os rumores de um possível pedido de demissão de Guedes ganharam força no mercado após o presidente Jair Bolsonaro criticar a proposta apresentada pelo ministro para o Renda Brasil, programa que substituirá o Bolsa Família e deve ser a marca social do governo.

O desenho apresentado na terça, em reunião no Palácio do Planalto, previa a revisão ou extinção de outros benefícios, como o abono salarial, o que foi rejeitado por Bolsonaro. Nesta quarta, o presidente avisou que não vai “tirar de pobres para dar a paupérrimos”.

Como mostrou o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) mais cedo, Bolsonaro deu a Guedes prazo até a próxima sexta-feira, 28, para apresentar uma nova solução para o Renda Brasil. Técnicos que trabalham no desenho do Renda Brasil se reuniram nesta quarta-feira para dar início aos ajustes pedidos pelo presidente, que quer uma solução sem passar pela revisão do abono.

A avaliação na área econômica, porém, é que a revisão do abono salarial era “fundamental” para criar espaço no Orçamento para bancar o novo programa, que teria maior alcance e valor de benefício que o Bolsa Família. Só a extinção do abono, uma espécie de 14º salário pago a trabalhadores com carteira assinada, poderia liberar cerca de R$ 20 bilhões.

Entre integrantes da equipe econômica, já há a percepção de que o Renda Brasil vai acabar com alcance e valor “não tão diferente” do Bolsa Família, que atualmente paga em média R$ 190 a 14 milhões de famílias, diante das resistências do presidente em bancar a revisão dos programas considerados ineficientes e a necessidade de respeitar o teto de gastos (que limita o avanço das despesas à inflação).

Em viagem a Ipatinga (MG) nesta quarta, Bolsonaro admitiu que discorda do plano de Guedes, que inclui a revisão de outros benefícios, e avisou que não o enviará ao Congresso. “Ontem discutimos a possível proposta do Renda Brasil. E eu falei ‘está suspenso’, vamos voltar a conversar. A proposta, como a equipe econômica apareceu para mim, não será enviada ao Parlamento. Não posso tirar de pobres para dar a paupérrimos. Não podemos fazer isso aí”, disse.

Estadão Conteúdo


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Eleições 2020

Com suspeita de covid, Gandini suspende agenda de campanha em Vitória

Eleições 2020

Após denúncias de disparos em massa, 256 contas são banidas do WhatsApp

País

DOU extra traz revogação de decreto sobre PPI na saúde pública

Dia a dia

Covid-19: Espírito Santo tem 9 mortes e 788 casos em 24 horas