Cronograma do governo prevê vacinação de todos os capixabas até o final de 2021 - ES360

Cronograma do governo prevê vacinação de todos os capixabas até o final de 2021

A informação foi confirmada pelo governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), na tarde desta quarta-feira (17)

Governador Renato Casagrande. Foto: Divulgação
Governador Renato Casagrande. Foto: Divulgação

 

Pressionado pela escassez de doses de vacina da covid-19, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse que distribuirá, até o final de 2021, doses suficientes para imunizar todos os capixabas. A informação foi confirmada pelo governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), na tarde desta quarta-feira (17).

Os governadores se reuniram com o ministro para discutir sobre o enfrentamento da covid-19. Em pauta, estava a apresentação do cronograma detalhado do plano de vacinação, a aceleração do processo para a liberação de novos imunizantes e a habilitação de leitos de UTI para pacientes com o novo coronavírus.

> Estado pode fechar leitos de UTI caso não receba verba do governo federal

“Nós vemos outros países que estão conseguindo vacinar com mais velocidade, mas nós teremos um cronograma, para que possamos ter clareza de quando chegam as vacinas. Hoje foi apresentado o cronograma e vamos trabalhar para que a gente possa de fato chegar a imunizar todos os brasileiros e capixabas e possamos salvar vidas”, destacou Casagrande.

O governador do estado lembrou ainda que aproveitou a reunião para pedir apoio do Ministério da Saúde para manter e ampliar os leitos de UTI e enfermaria para a covid-19. “Precisamos desses leitos para dar condições dignas de tratamento a todos que precisam neste momento”, ressaltou.

Cronograma do país

“Temos uma previsão fantástica de recebimento de vacinas”, disse Pazuello aos governadores, segundo uma autoridade que acompanha a reunião. O general já havia feito esta promessa na última semana, em reunião no Senado. No ritmo em que a vacinação contra a covid-19 é conduzida no Brasil, o país levaria mais de quatro anos para ter toda a sua população imunizada, conforme cálculo de pesquisador da USP.

O cronograma apresentado por Pazuello apontava que o Brasil receberia cerca de 454,9 milhões de doses de vacinas em 2021. Além disso, há negociações com a Pfizer e Janssen sob “óbice jurídico”, segundo os dados apresentados.

A conta de Pazuello intrigou governadores, segundo pessoas presentes na reunião. Primeiro, porque uma versão diferente do cronograma foi enviada pela manhã pelo ministério. Além disso, por considerar negociações ainda em andamento ou de vacinas que nem sequer apresentaram dados de eficácia, como a indiana Covaxin.

Governadores cobraram mais agilidade do ministro para compra de vacinas. “Não basta um calendário, é preciso, urgente, ampliar a quantidade de doses de vacina”, disse a governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra. O ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, participa também da reunião.

Pazuello reconheceu que há forte onda de internações pela covid. “Essa realidade vai fazer com que a gente precise se reorganizar e precise de recursos extraorçamentários”, disse aos governadores.

Pelo cronograma apresentado pelo ministro, a distribuição das doses até julho será a seguinte:

Janeiro: 10.700.00 doses

– 2 milhões da vacina de Oxford/AstraZeneca fabricada na Índia

– 8,7 milhões da Coronavac

Fevereiro: 11.305.000 doses

– 2 milhões da vacina de Oxford/AstraZeneca fabricada na Índia

– 9,305 milhões da Sinovac

Março: 46.033.200 doses

– 4 milhões da vacina de Oxford/AstraZeneca fabricada na Índia

– 12,9 milhões da vacina de Oxford/AstraZeneca envasada na Fiocruz

– 2,66 milhões da vacina de Oxford/AstraZeneca comprada via Covax Facility

– 18,06 milhões da Sinovac

– 400 mil doses da Sputnik V

– 8 milhões de doses da Covaxin

Abril: 57.262.258

– 4 milhões da vacina de Oxford/AstraZeneca fabricada na Índia

– 27,3 milhões da vacina de Oxford/AstraZeneca envasada na Fiocruz

– 15,96 milhões da Sinovac

– 2 milhões da Sputnik V

– 8 milhões da Covaxin

Maio: 46.232.258

– 28,6 milhões da vacina de Oxford/AstraZeneca envasada na Fiocruz

– 6,03 milhões da Sinovac

– 7,6 milhões da Sputnik V

– 4 milhões da Covaxin

Junho: 42.636.858

– 28,6 milhões da vacina de Oxford/AstraZeneca envasada na Fiocruz

– 8,04 milhões da vacina de Oxford/AstraZeneca comprada via Covax Facility

– 6,03 milhões da Sinovac

Julho: 16.548.387

– 3 milhões da vacina de Oxford/AstraZeneca envasada na Fiocruz

– 13,54 milhões da Sinovac

De julho a dezembro, a previsão é que a Fiocruz fabrique de ponta a ponta 110 milhões de doses da vacina de Oxford/AstraZeneca, mas não há um quantitativo exato para cada mês.

Neste período, o Instituto Butantan deve entregar 13,54 milhões de doses da Coronavac em agosto e 8,8 milhões em setembro. Além disso, o governo pretende receber 30 milhões de doses da vacina da Moderna em outubro.

O ministério também aponta que negocia a compra de 30 milhões de doses adicionais da Coronavac, que seriam entregues de outubro a dezembro.

Em dezembro, o governo também espera receber 31,8 milhões de doses via Covax Facility.

Pazuello ainda apontou como “possibilidades” a compra das vacinas da Pfizer, com previsão de entrega de cerca de 8,71 milhões de doses em julho e outras 32 milhões em dezembro, além da compra de 16,9 milhões de unidades da Janssen. Estas negociações, segundo disse o ministro, enfrentam “óbices” jurídicos.

Estadão Conteúdo


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Dia a dia

ES registra 9 óbitos e 1.089 casos de covid-19 em 24h

Dia a dia

hacker preso no ES pela PF paga fiança e é solto

Tec

Satélite brasileiro será lançado na madrugada deste domingo

Dia a dia

Com ações inclusivas, Maranata leva ensinamentos a pessoas com deficiência