Cristiane Brasil indo à Polícia: 'Não sei cadê esse enriquecimento ilícito' - ES360

Cristiane Brasil indo à Polícia: ‘Não sei cadê esse enriquecimento ilícito’

Pré-candidata à Prefeitura, ela afirmou que há interesses políticos por trás da denúncia. Cristiane é acusada de desvios em contratos da Fundação Leão XIII, que é voltada para a assistência social

Antes de se apresentar à Polícia na tarde desta sexta-feira, 11, a ex-deputada federal Cristiane Brasil (PTB), filha de Roberto Jefferson, se manifestou, em vídeo, sobre a ordem de prisão. Pré-candidata à Prefeitura, ela afirmou que há interesses políticos por trás da denúncia. Cristiane é acusada de desvios em contratos da Fundação Leão XIII, que é voltada para a assistência social.

“A caneta pesou na hora de me dar essa prisão, isso faltando dias para a eleição. Vocês não vão me dizer que esse é uma prisão que tem um cunho político?”, afirmou a ex-deputada.

Cristiane também questionou a contemporaneidade do mandado de prisão e colocou sob suspeita operações recentes contra outros dois pré-candidatos: Marcelo Crivella (Republicanos) e Eduardo Paes (DEM), que foram foram alvo de buscas e apreensões nesta semana.

“É um absurdo que uma denúncia antiga, de 2012, 2013, esteja sendo cumprida agora. Um mandado de prisão preventiva contra mim, faltando dias para a eleição”, disse.

A ex-deputada apelou ainda a supostos maus bocados financeiros para negar enriquecimento ilícito ou envolvimento nos desvios milionários.

“Eu devo o banco, aliás devo empréstimos que eu tive que pagar para dois motoristas que não mereciam. Eu devo o cartão de crédito, agora eu estou devendo a faculdade da minha filha, porque eu investi o meu parco dinheiro na pré-campanha, para poder concorrer à prefeita. Eu devo a várias pessoas, porque eu acredito na causa política, não tenho nem carro, eu ando de Uber, eu ando de metrô. Não sei cadê esse enriquecimento ilícito”, afirmou.

A filha de Roberto Jefferson também afirmou que o governador em exercício, Cláudio Castro (PSC), que assumiu após o afastamento de Wilson Witzel (PSC), foi poupado da operação em razão do foro privilegiado, de modo que o pedido de prisão pôde ser encaminhado à primeira instância.

“O STJ (Superior Tribunal de Justiça) negaria o pedido de prisão do atual governador. Interessava prender a nós, que somos candidatos”, disse Cristiane. “Vejo dedo político nessa história”, completou.

Estadão Conteúdo

Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
País

PCC movimentou R$ 1,2 bilhão com tráfico de drogas

Dia a dia

Número de alunos em graduações a distância no Brasil salta 378% em 10 anos

Dia a dia

Mourão sobre desmatamento: “Precisamos apresentar melhores resultados”

País

Tribunal aceita denúncia e afasta governador de Santa Catarina