CPI da Ales pede quebra de sigilo da Renova

As informações são de que a Renova estaria “desviando recurso e superfaturando obras”, entre outras questões

Publicado em · Atualizado há 1 semana

A Assembleia Legislativa do Espírito Santo pediu a quebra do sigilo fiscal, bancário, telefônico e de correspondência eletrônica da Fundação Renova. A solicitação foi feita pelo relator da CPI das Licenças, deputado Euclério Sampaio.

O pedido teve como base as denúncias que chegaram à CPI. As informações são de que a Renova estaria “desviando recurso e superfaturando obras”, entre outras questões. O documento diz que essas condutas levariam prejuízo às pessoas que aguardam há quase quatro anos por indenizações.

> Governo lança novo edital para restaurar florestas do Rio Doce

A Renova esclarece que os documentos relacionados à prestação de contas são publicadas em seu site. E que até julho desembolsou R$ 6,46 bilhões nas ações de recuperação e compensação.