Covid: as mais avançadas vacinas em desenvolvimento no mundo - ES360

Covid: as mais avançadas vacinas em desenvolvimento no mundo

Sputnik V, vacina russa contra covid-19 desenvolvida pelo Instituto Gamaleya. Foto: Fundo de Investimento Direto da Rússia
Vacina contra a covid-19. Foto: Fundo de Investimento Direto da Rússia

 

Passados oito meses desde a declaração da pandemia, as empresas farmacêuticas avançam para as etapas finais de desenvolvimento de uma vacina que  neutralize a covid-19. Atualmente, o imunizante na fase mais avançada de desenvolvimento (a terceira etapa) é o desenvolvido pelas empresas BioNTech/Pfizer, que já apresentou resultados ampliados da fase 3 em escala global, que elevaram a comprovação da eficácia de sua vacina contra covid-19 de 90% para 95%.

O convênio BioNTech/Pfizer apresentou nesta quarta-feira (19) novos resultados envolvendo mais de 43 mil voluntários. Desses, 170 contraíram o coronavírus, sendo que 162 receberam placebo, informaram os laboratórios. Apenas 8 dos que receberam as duas doses da vacina desenvolveram a doença e um ficou em estado grave. Nove voluntários do grupo placebo também desenvolveram a forma severa de covid-19.

Na prática, a vacina da alemã BioNTech e a americana Pfizer dependem apenas da aprovação de emergência para o uso da vacina na FDA e também na EMA, as agências reguladoras de medicamentos dos Estados Unidos e da Europa, respectivamente, para começar a ser distribuída. A vacina da Pfizer, no entanto, exige uma estrutura para distribuição sofisticada, porque tem de ser mantida em baixíssima temperatura  (não basta, por exemplo, o uso de freezer comum). A Pfizer ainda não tem nenhum contrato fechado com governos brasileiros para fornecimento da vacina.

Na última segunda-feira (16), a farmacêutica Moderna afirmou que sua vacina contra a covid-19 obteve 94,5% de eficácia na fase 3, o que também a deixou bem posicionada no caminho para o registro da fórmula. Nenhum participante que recebeu a vacina desenvolveu a forma grave da doença. Onze participantes no grupo placebo tiveram sintomas graves. A vacina da Moderna teve quase a mesma eficácia entre voluntários com mais de 65 anos. Esse grupo não costuma responder tão bem à imunização e é mais suscetível a desenvolver a doença. Assim como ocorre com a Pfizer, a Moderna também não tem contatos e nem contratos com representantes no Brasil.

Além dessas duas vacinas, o grupo ligado ao governo russo apontou que o imunizante Sputinik V já alcançou eficácia de 92% em estudos preliminares da fase 3. A etapa 3, quando a candidata à vacina é testada em pessoas que terão contato com o vírus em sua vida cotidiana, é definidora para o processo de registro. Porém, é preciso esperar o estudo evoluir um pouco mais para que essa taxa seja consolidada. No Brasil, o governo do Paraná já anunciou a possibilidade de trazer para o Brasil a vacina russa.

Também na fase 3 também está a Coronavac, desenvolvida em conjunto por sete instituições, com destaque para a parceria entre a empresa chinesa Sinovac Biotech e o Instituto Butantan, de São Paulo, que espera completar o número mínimo de eventos (voluntários infectados com a covid-19) para calcular sua taxa de eficácia, como aconteceu recentemente com Pfizer/BioNTech e Moderna.

A Coronavac foi destaque nas manchetes da semana passada, após a paralisação dos testes clínicos no Brasil por causa da morte de um voluntário. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e o Instituto Butantan trocaram farpas numa série de notas e entrevistas coletivas. Passados alguns dias da disputa, tudo acabou esclarecido (o óbito nada teve a ver com a vacina) e o estudo foi retomado normalmente.

A AZD1222, desenvolvida pela Universidade de Oxford e AstraZeneca é a candidata que está caminhando bem nos ensaios clínicos: as informações completas do estudo de fase 2 foram publicados nesta quinta-feira (19/11) na revista científica The Lancet e confirmam que o imunizante é seguro e não provoca efeitos colaterais graves, inclusive nos mais velhos. Outro destaque está no fato de que a aplicação das doses suscitou a produção de anticorpos, o que é um ótimo sinal.

Os acordos mais avançados para compra de vacinas internacionais no Brasil são o da vacina de Oxford (em parceria com a Astrazeneca), e da Sinovac Biotech, inicialmente pelo governo de São Paulo. As duas vacinas que estão mais perto dos brasileiros – com distribuição prevista pelo SUS – ainda não apresentaram resultados da fase 3, apesar de estarem sendo administradas em um grande número de pessoas.

A vacina de Oxford – uma das mais promissoras do mundo – pretende entregar essas informações até dezembro na Inglaterra, o que facilitaria também seu registro por aqui. Já a Coronavac, de acordo com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), apresentará resultados até dezembro à Anvisa.

Tanto uma quanto a outra já deram início aos trâmites burocráticos na Anvisa. Na semana passada, um time de técnicos da agência reguladora embarcou para a China a fim de verificar como são as fábricas onde serão produzidos os imunizantes.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Eleições 2020

368 urnas substituídas e mais 500 mil eleitores já justificaram ausência no país

Esportes

Acidente impressionante com Grosjean interrompe GP do Bahrein

Dinheiro

‘Quem falar em Renda Cidadã, cartão vermelho’, diz Bolsonaro

Eleições 2020

Bolsonaro questiona urna eletrônica e ironiza ‘voto por celular’