Covid-19: Espírito Santo tem 27 óbitos e 1.072 casos em 24 horas - ES360

Covid-19: Espírito Santo tem 27 óbitos e 1.072 casos em 24 horas

Já o número de capixabas curados subiu para 175.925, sendo 1.566 de um dia para o outro

Coronavírus. Foto: Pixabay
Coronavírus. Foto: Pixabay

 

O Espírito Santo já registrou 190.001 casos confirmados do novo coronavírus e bateu a maraca de 4.279 mortes em decorrência da doença. Somente nas últimas 24 horas foram notificados 27 óbitos e 1.072 resultados positivos. Os dados foram atualizados nesta segunda-feira (30) no Painel Covid-19 pela Secretaria da Saúde.

Além dos casos confirmados, outros 165.598 ainda são considerados suspeitos pela Secretaria da Saúde. Já o número de capixabas curados subiu para 175.925, sendo 1.566 de um dia para o outro. A taxa de letalidade da covid-19 se manteve em 2,3%, e mais de 632,745 testes já foram realizados no estado.

A cidade mais infectada da doença continua sendo Vila Velha, com 27.933 registros. Em seguida, estão Serra (24.242), Vitória (24.162), Cariacica (17.014) e Linhares (9.037). Se considerada a quantidade de vítimas, a ordem dos municípios mais afetados fica sendo: Vila Velha (600), Serra (591), Cariacica (532), Vitória (517) e Cachoeiro de Itapemirim (208).

Jardim Camburi, em Vitória, continua sendo o bairro com maior número de infecções, com 3.582 notificações. A Praia da Costa, em Vila Velha, tem 3.177 casos, seguida por Jardim da Penha, na capital, com 2.064. A Praia de Itaparica, no município canela-verde, tem 1.770 notificações e Praia do Canto, em Vitória, segue na quinta posição com 1.681 positivos.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Mundo

Bolsonaro envia carta a Biden e fala em parceria por proteção ao meio ambiente

Dia a dia

Casagrande: 70 mil doses da Coronavac devem chegar ao ES no início de fevereiro

Mundo

Em discurso como presidente, Biden pede união nacional e alerta para a covid-19

Mundo

Biden promete derrotar ‘terrorismo doméstico’ e ‘supremacismo branco’