Covid-19: cientistas vão testar vacina em maio; lançamento pode ser em setembro - ES360

Covid-19: cientistas vão testar vacina em maio; lançamento pode ser em setembro

Pesquisadores de Oxford já provaram que o medicamento é inofensivo a seres humanos. Mais de seis mil pessoas serão testadas

Uma vacina contra o novo coronavírus será testada em massa até o final de maio e pode ser distribuída globalmente para as autoridades médicas a partir de setembro. Essa é a expectativa de pesquisadores do Instituto Jenner da Universidade de Oxford, no Reino Unido, que já trabalham com um medicamento.

Segundo o jornal The New York Times, enquanto a maioria das outras equipes teve que começar com pequenos ensaios clínicos de algumas centenas de participantes para demonstrar a segurança dos seus medicamentos, os pesquisadores da Oxford tiveram uma vantagem: eles já provaram em ensaios anteriores que inoculações semelhantes – incluindo uma no ano passado contra um coronavírus anterior – eram inofensivas para os seres humanos.

O cenário permitiu aos pesquisadores avançar e agendar testes da sua nova vacina contra o coronavírus em um grupo de mais de 6 mil pessoas até o final de maio. O objetivo é garantir que o medicamento além de seguro, também funciona.

Ainda de acordo com a publicação, os cientistas dizem que se comprovada a eficácia e com a aprovação emergencial dos órgãos reguladores, em setembro será possível fornecer ao mercado os primeiros milhões de doses da vacina.

Em março, cientistas do Laboratório das Montanhas Rochosas do Instituto Nacional de Saúde de Montana, nos Estados Unidos, inocularam seis macacos rhesus com doses únicas da vacina de Oxford. Os animais foram então expostos a grandes quantidades do vírus que está causando a pandemia – exposição que sempre adoeceu outros macacos no laboratório. Mais de 28 dias depois, todos os seis estavam saudáveis, disse Vincent Munster, pesquisador que conduziu o teste.

“O macaco rhesus é o que temos mais próximo dos seres humanos”, afirma Munster, observando que os cientistas ainda estavam analisando o resultado.

A imunidade em macacos não garante que uma vacina forneça o mesmo grau de proteção para seres humanos. Uma empresa chinesa que iniciou recentemente um ensaio clínico com 144 participantes, o SinoVac, também disse que sua vacina era eficaz em macacos rhesus. Mas, com dezenas de esforços em andamento para encontrar uma vacina, os resultados dos macacos são a última indicação de que o empreendimento acelerado de Oxford está emergindo como um indicador.

“É um programa clínico muito, muito rápido”, disse Emilio Emini, diretor do programa de vacinas da Fundação Bill e Melinda Gates, que está fornecendo apoio financeiro a muitos esforços concorrentes.

Qual a potencial vacina emergirá como a mais bem sucedida dessa disputa é impossível saber até que os dados dos ensaios clínicos sejam disponibilizados.

De qualquer forma, seria necessária mais de uma vacina, argumentou Emini. Algumas podem funcionar mais efetivamente que outras em grupos como crianças ou idosos, ou com diferentes custos e dosagens. Ter mais de uma variedade de vacina em produção também ajudará a evitar gargalos na fabricação, disse ele.

Mas, como o primeiro a atingir uma escala relativamente grande, o julgamento de Oxford, mesmo que falhe, fornecerá lições sobre a natureza do coronavírus e sobre as respostas do sistema imunológico que podem informar governos, doadores, empresas farmacêuticas e outros cientistas em busca de uma vacina.

“Este grande estudo do Reino Unido”, disse Emini, “na verdade se traduzirá em aprender muito sobre alguns dos outros também”.

Todos os outros enfrentarão os mesmos desafios, incluindo a obtenção de milhões de dólares em financiamento, convencendo os reguladores a aprovar testes em humanos, demonstrando a segurança de uma vacina e – depois de tudo isso – provando sua eficácia na proteção das pessoas contra o coronavírus.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Dia a dia

ES registra 22 mortos por coronavírus em 24h

Dia a dia

Weintraub terá de explicar à PF declaração sobre o Supremo

País

Covid-19: Brasil registra 1.039 óbitos em 24h

Dia a dia

ES atinge a marca de 5.761 curados da covid-19