Covid: cidades do interior têm forte aumento no número de casos e óbitos - ES360

Covid: cidades do interior têm forte aumento no número de casos e óbitos

Secretário de Saúde faz análise da curva de casos dos municípios e aponta que alguns estão vivendo a primeira onda da doença

Passados nove meses do início da pandemia da covid-19, o Espírito Santo ultrapassou 217 mil casos da doença e mais de 4,6 mil mortes. Mas a pandemia não teve expansão homogênea no estado ao longo desses meses. Tanto que agora, entre novembro e dezembro, é que muitos registram aumento expressivo de casos e óbitos. Segundo análise realizada pelo secretário estadual da Saúde, Nésio Fernandes, 13 municípios do interior vivem agora a primeira onda tardia de casos, enquanto o Espírito Santo como um todo vive uma segunda expansão da covid-19.

Ao analisar a média móvel de 14 dias, a letalidade e os óbitos, Nésio considera que os municípios de Dores do Rio Preto, Alto Rio Novo, Itarana, São Roque do Canaã, Governador Lindenberg, Irupi, Iconha, Itaguaçu, Alfredo Chaves, Muniz Freire, Santa Teresa, Guaçuí e Santa Maria de Jetibá estão vivendo em novembro e dezembro a primeira onda de covid. Dessa forma, ele avalia que alguns municípios dessa lista poderão viver uma segunda expansão ao longo de 2021.

“Por não terem vivenciado alta incidência de casos e óbitos em seus territórios, os municípios que agora vivem a primeira expansão real da doença podem ter desenvolvido ao longo da pandemia uma falsa sensação de segurança. Sem vacinas disponíveis até o presente momento, neste fim de ano o distanciamento social, reservar-se em casa, não aglomerar-se, proteger idosos e grupos de risco, usar máscaras, lavar as mãos, serão gestos de empatia e civilidade que preservarão a vida de nossos entes queridos”, ressalta Nésio.

Ao apresentar os gráficos da doença por município, ele lembrou que Iconha, reconhecida por ser uma cidade sem óbitos por covid durante quase toda a pandemia, já registrou quatro mortes em novembro e dezembro.

A cidade de Alfredo Chaves com letalidade pela covid-19 em 0,9%, teve três breves oscilações ao longo da pandemia e em novembro a elevação abrupta de casos desenhou uma primeira grande onda.

Curva em Alfredo Chaves. Foto: Reprodução

Outro exemplo é a cidade de Muniz Freire que teve oscilação dos casos ao longo dos meses de julho a novembro, mas em dezembro alcançou uma íngreme curva de casos, chegando 9,9 casos em dezembro na média móvel de 14 dias, mais do que o dobro de casos observados no pico, em setembro.

Já a cidade de Santa Teresa que estava com letalidade 0,8%, considerada baixa, a partir de outubro teve uma desproporcional curva de casos, segundo Nésio.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Dia a dia

Espírito Santo pode registrar mais de 450 mortes por covid-19 em janeiro

Dia a dia

Prefeituras da Grande Vitória decidem não voltar com aulas presenciais em fevereiro

Dinheiro

Bolsonaro desafia Doria a zerar imposto sobre combustível

País

Bolsonaro chama Doria de ‘moleque’ e diz que ele e Maia querem sua cadeira para ‘roubar’