Com brilho internacional, cantor Ivan Lins é homenageado pelo Espírito Som - ES360

Com brilho internacional, cantor Ivan Lins é homenageado pelo Espírito Som

Sob a produção da própria cantora Eliane Gonzaga, o show "Vitoriosa", em tributo à Ivan Lins, é a quarta apresentação do projeto de lives "Espírito Som"

IVAN LINS
O cantor Ivan Lins é referência na música brasileira. Foto: Divulgação

Filho de militares, o cantor, compositor e instrumentista Ivan era bacharel em Química quando decidiu inscrever sua primeira música em um festival. No início dos anos 70, auge da ditadura brasileira e da repressão, ele lançou “O amor é o meu país”, ignorada pelos críticos por ser “leviana” demais com a situação do Brasil na época. O que não foi levado em conta, porém, era justamente o aspecto de questionamento da canção, cujo reconhecimento nacional só aconteceria anos depois.

À época com 25 anos, Ivan já contribuía com artistas como Gonzaguinha, Aldir Blanc e Elis Regina, e até foi compositor de grandes sucessos da cantora. “Madalena”, grande sucesso na voz de Elis, tinha a assinatura de Ivan como um de seus criadores. Pouco tempo depois, começou a sofrer com a censura dos anos de chumbo, lançando músicas que protestavam contra a prisão e perseguições de músicos.

“Todos esses renomados músicos participavam do Movimento Artístico Universitário (MAU), uma entidade estudantil contra a ditadura. Eles se encontravam para ‘trocar figurinhas’ e daí surgiu esse lado mais político dele, que perdura até hoje”, afirma a fã de longa data Eliane Gonzaga, que fará uma homenagem ao artista carioca nesta quinta-feira (03), às 18h50, pelo projeto ”Espírito Som”.

A partir dos anos 1980, o carioca começou a ter seu talento reconhecido em âmbito internacional. Tornou-se um dos músicos brasileiros mais gravados no exterior. Suas canções foram interpretadas por artistas  como Ella Fitzgerald, Sarah Vaughan, George Benson, Michel Legrand, Sting e Diana Krall.

“Depois do Tom Jobim, o Ivan é um dos artistas brasileiros mais queridos pela indústria internacional. Ele possui essa capacidade de ser versátil e ter uma linha melódica sofisticada. Sem contar que as músicas são fáceis de gravar, readaptar, pois são simples – embora isso não as torne menos elaboradas”, ressalta Eliane.

Um dos principais parceiros musicais de Ivan foi o compositor Vitor Martins, que lhe inspirou a estudar jazz, samba e bossa nova. Juntos, fizeram inúmeras canções que foram incluídas em trilhas sonoras de novelas (“Roque Santeiro”, “Malú Mulher” e “Mulheres de Areia”), ganharam o Grammy Latino de Melhor Álbum e Melhor Álbum da Música Brasileira por “Cantando Histórias”, em 2005. Também tiveram indicações para o Grammy internacional de Melhor Álbum de Jazz Latino, em 1997, com o disco “The Heart Speaks”.

“A parceria dele com o Vitor é emblemática na história da música brasileira, porque o Vitor tem um discurso muito poético sobre os assuntos do dia a dia. Ele é um cronista. Ao lado de Ivan, que é referência na hora de fazer melodias, criaram muitos projetos importantes. Dali nasceu uma assinatura. Mesmo que a gente escute outras artistas interpretando as canções dos dois, sabemos que aquela produção é deles”, acrescenta.

Apresentação

Sob a produção da própria cantora Eliane Gonzaga, o show “Vitoriosa”, em tributo a Ivan Lins, é a quarta apresentação do projeto de lives “Espírito Som”. De caráter beneficente, a ação busca arrecadar fundos para os artistas locais, que perderam a fonte de renda durante a pandemia da covid-19. A transmissão ao vivo acontecerá na TV Capixaba – aberta por satélite para todo o estado –, e nas redes sociais do portal ES360.

Nesta quinta-feira (03), Eliane apresentará os sucessos de Ivan que passeiam por diferentes gêneros musicais, como “Abre Alas”, “Me Deixa em Paz”, “Cartomante”, e o samba mais caribenho de “Ai Ai Ai”. A lista inclui ainda “Novo Tempo” e “Somos Todos Iguais Nesta Noite”. “Sem tentar ser partidária, as letras desse repertório têm o mesmo discurso que eu gostaria de fazer. É sobre tudo o que está acontecendo agora no país, o nosso ‘novo normal’, e como eu gostaria que as coisas fossem depois. Vale a pena prestar atenção, pois são super atuais”, convida.

Acompanhada no palco por Mauricio Fazz (piano, voz e arranjo), Paulo Sodré (baixo) e Marlon Aloir (baterista e percussionista), Eliane também contará com a participação especial do escritor Jace Theodoro, que fará a interpretação de um poema sobre a vida do cantor.


Comentários:

  • Gostei do assunto de sua divulgação, gostaria de ver se é pertinente para meu site.

    Sds.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
País

PCC movimentou R$ 1,2 bilhão com tráfico de drogas

Dia a dia

Número de alunos em graduações a distância no Brasil salta 378% em 10 anos

Dia a dia

Mourão sobre desmatamento: “Precisamos apresentar melhores resultados”

País

Tribunal aceita denúncia e afasta governador de Santa Catarina