Com 4 votos a 3 pela prisão em 2ª instância, STF suspende julgamento - ES360

Com 4 votos a 3 pela prisão em 2ª instância, STF suspende julgamento

A análise deverá ser retomada no dia 6 ou 7 de novembro, conforme afirmou ao fim da sessão o presidente da Corte, ministro Dias Toffoli

Votaram contra a prisão em segunda instância Marco Aurélio Mello e Rosa Weber. Devem seguir essa linha Lewandovski, Gilmar Mendes, Toffoli e Celso de Mello.
Votaram a favor: Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Barroso e Fux. Devem ser seguidos por Luiz Fux e Carmen Lúcia.
Se essa previsão (feita por quem acompanha o STF) se confirmar, a votação ficará 6 a 5 contra a prisão em segunda instância.
Além de Lula, mais 36 condenados na Lava Jato poderão se beneficiar.
Os votos estão sendo muito longos. Decisão não deve terminar hoje. Há a promessa de Toffoli de dedicar a sessão da próxima semana a decisões pontuais dos ministros.
Ou seja, a decisão final só sairia em 15 dias. Ou mais.

________________________________________________________________________________

Com um placar de 4 votos a 3 a favor da execução antecipada da pena, o STF (Supremo Tribunal Federal) suspendeu o julgamento sobre a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância. A análise deverá ser retomada no dia 6 ou 7 de novembro, conforme afirmou ao fim da sessão o presidente da Corte, ministro Dias Toffoli. A data precisa será anunciada por Toffoli na próxima segunda-feira.

O tribunal não irá se reunir na semana que vem, motivo por qual o julgamento voltará à pauta somente em novembro. Conforme afirmou o presidente da Corte, o calendário de sessões foi definido ainda em abril.

Com o voto da ministra Rosa Weber contrário à prisão após condenação em segunda instância, a posição de Toffoli deverá definir o placar do julgamento. Até o momento, além de Rosa, Marco Aurélio Mello e Ricardo Lewandowski votaram para mudar o atual entendimento da Corte, que permite a execução antecipada da pena. A medida é considerada um dos pilares da Operação Lava Jato e um dos instrumentos que incentivou acordos de colaboração premiada.

É esperado que integrem essa mesma corrente os ministros Gilmar Mendes e Celso de Mello, totalizando cinco votos. No outro lado, os ministros Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Luís Roberto Barroso e Luiz Fux votaram favoráveis a possibilidade de prisão após condenação em segundo grau. O voto da ministra Cármen Lúcia deve ir no mesmo sentido.

Último a votar nesta quinta-feira, o ministro Ricardo Lewandowski afirmou que a presunção de inocência talvez represente a “mais importante das salvaguardas do cidadão, considerado o congestionadíssimo e disfuncional sistema judiciário brasileiro”, disse.

Lewandowski afirmou também que, quando a Corte passou a permitir a execução antecipada da pena em 2016 – chamado de “retrocesso jurisprudencial” pelo ministro -, a mudança foi recebida com “repúdio” por especialistas em direito penal.

Com Estadão Conteúdo

Mais notícias
Dia a dia

Motoboys protestam contra alta da gasolina na Grande Vitória

Política

Governo quer ‘simplificar’ regras trabalhistas

Dinheiro

Dívida pública fecha janeiro com recorde de 89,7% do PIB

Dia a dia

Com ações inclusivas, Maranata leva ensinamentos a pessoas com deficiência