Chuvas em Santa Catarina causam 7 mortes e deixam milhares de desabrigados - ES360

Chuvas em Santa Catarina causam 7 mortes e deixam milhares de desabrigados

Segundo o governo estadual, as pessoas atingidas estão sendo levadas para abrigos improvisados

A força das águas arrasou a área urbana de Presidente Getúlio, em Santa Catarina, e já causou ao menos seis mortes. Foto: Corpo de Bombeiros de SC/Divulgação
A força das águas arrasou a área urbana de Presidente Getúlio, em Santa Catarina, e já causou ao menos seis mortes. Foto: Corpo de Bombeiros de SC/Divulgação

 

Chuvas intensas que atingiram o estado de Santa Catarina na madrugada desta quinta-feira (17), já deixaram um saldo de 7 pessoas mortas, milhares de desabrigados e destruição em 20 cidades. Seis pessoas morreram em Presidente Getúlio, no Alto Vale do Itajaí, a cidade mais atingida. Outra morte foi registrada em Ibirama. O número de feridos e de desabrigados ainda não foi contabilizado. Conforme o governo estadual, ainda os desabrigados estão sendo levados para abrigos improvisados.

Inicialmente, a Defesa Civil de Presidente Getúlio havia informado dez mortes, mas o número foi corrigido pela Defesa Civil estadual. Com a cidade arrasada pelo temporal, a prefeitura de Presidente Getúlio decretou estado de calamidade pública. Conforme o Corpo de Bombeiros, a cidade de 16 mil habitantes recebeu 125 milímetros de chuva em apenas seis horas. Casas, árvores e carros foram arrastados pela força da enxurrada.

Equipes dos bombeiros, da Defesa Civil, da Polícia Militar e da prefeitura foram mobilizadas para resgatar pessoas nas áreas alagadas e sob os escombros. Em redes sociais, moradores relatam momentos de terror, com as pessoas pedindo socorro, sendo levadas pela correnteza. Em seguida, teve início a difícil retirada dos corpos de vítimas sob os muros que caíram ou que foram carregadas pela água.

O prefeito Nelson Virtuoso (MDB) comparou a um cenário de guerra. “As ruas viraram rios e a força da água foi arrastando casas, muros, árvores e carros. Foi como um tsunami, levando casas inteiras com os moradores dentro. Ainda não foi possível calcular o prejuízo, mas é imenso. A cidade está destruída. O momento é de abrigar as pessoas e atender as famílias das vítimas”, disse.

As cidades de Rio do Sul, Apiúna e Ibirama também foram severamente castigadas. Em Aurora, o rompimento de um lago atingiu dezenas de casas, causando danos materiais. Ao menos 14 famílias ficaram desabrigadas em virtude da enchente em um afluente do rio Itajaí Açu. Os temporais causaram interdição de rodovias e estragos em cidades da Grande Florianópolis, como Palhoça e Santo Amaro da Imperatriz.

Conforme dados da Defesa Civil, as cidades de Garopava e São José também tiveram chuvas acima de 100 milímetros durante a noite. Com o grande índice pluviométrico, o sistema de operação das barragens entrou em funcionamento durante a madrugada. As unidades de Taió e Ituporanga começaram a ser operadas com o fechamento de todas as comportas para não agravar as inundações.

O governador de Santa Catarina, Carlos Moisés (PSL), determinou o deslocamento de helicópteros para apoiar o trabalho dos bombeiros. Cães farejadores estão sendo usados na tentativa de localizar possíveis vítimas em Presidente Getúlio. “O momento é de solidariedade com todas as vítimas. Estamos trabalhando desde as primeiras horas e nossas equipes estão no local para levar auxílios para aqueles que foram atingidos”, disse. Segundo ele, o momento ainda é de cautela pois há previsão de novos temporais. “É importante que a população se mantenha atenta aos alertas da Defesa Civil”, disse.

Tragédia se repete

As chuvas e a ocupação desordenada de morros e margens no Vale do Itajaí, cortado pelo Rio Itajaí-Açu, provocaram diversos desastres em Santa Catarina. Um dos mais graves ocorreu em novembro de 2008, quando 137 pessoas morreram no Estado por causa das chuvas.

A região do Morro do Baú, no município de Ilhota, foi um dos locais mais castigados. A área teve mais de 4 mil deslizamentos e Blumenau ficou submersa.

Na época, 51 municípios chegaram a enfrentar problemas de alagamento ou deslizamento e, segundo estimativas, 1,5 milhão de pessoas foram afetadas pelas chuvas e enchentes.

Estadão Conteúdo


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Dia a dia

Vitória entra em risco baixo para a transmissão da covid-19

País

Vacinas vindas da Índia serão enviadas a Estados a partir de sábado

País

Quem tem prioridade para ser vacinado no Brasil? Entenda a ordem da fila

Dia a dia

Covid-19: cai para o quatro o número de municípios em risco alto no ES