Chuva deixa 53 mortos no Espírito Santo e em Minas - ES360

Chuva deixa 53 mortos no Espírito Santo e em Minas

Há mais de 25 mil pessoas fora de casa nos dois estados. Governo federal deve liberar R$ 90 mi para ações

Água do rio Itapemirim passou por cima de pontes em Cachoeiro. Foto: Alan Rovetta
Água do rio Itapemirim passou por cima de pontes em Cachoeiro. Foto: Alan Rovetta

O Espírito Santo e Minas Gerais viveram mais um final de semana de drama, causado pelas chuvas que atingem inúmeros municípios. Juntos, os dois estados já somam 53 mortes e mais de 25 mil pessoas fora de casa.

> Subiu para 8,9 mil o número de pessoas fora de casa no Espírito Santo

No sábado (25), duas crianças morreram em deslizamentos nas cidades de Irupi e Conceição do Castelo, e o número de óbitos subiu para nove desde o início das chuvas no estado.

Quase 9 mil estão fora de casa, 12 cidades estão com alto risco hidrológico e nove têm alerta máximo para possíveis deslizamentos, segundo o último boletim da Defesa Civil estadual publicado ontem à noite.

> Rio Doce atinge nível de alerta em Colatina

No início da tarde, o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, sobrevoou sete cidades capixabas atingidas pelas chuvas. Horas antes, Canuto esteve em Minas Gerais e disse que o governo federal tem R$ 90 milhões para liberar aos municípios atingidos por chuvas.

Os recursos deverão ser aplicados em ações de socorro, assistência, restabelecimento de serviços essenciais à população e reconstrução de estruturas públicas danificadas.

> Governo disponibiliza R$ 90 milhões para regiões atingidas por chuvas

Segundo assessoria do governo do estado, Canuto retorna ao Espírito Santo na quinta-feira (30) para definir o plano de ações. Apesar disso, nenhuma informação sobre a divisão e o envio dos recursos foi divulgada.

No final de semana, Muniz Freire, Irupi, Iúna, Castelo, Alegre e Cachoeiro de Itapemirim tiveram inúmeros prejuízos causados pelas chuvas. Em Cachoeiro, o rio Itapemirim subiu mais de seis metros acima do nível normal e alagou várias ruas, destruiu parte de pontes e deixou famílias ilhadas.

> Alfredo Chaves registra maior acumulado de chuva do Brasil

Segundo o Climatempo, Alfredo Chaves foi o município que registrou o maior acumulado de chuva do Brasil neste mês. Foram 210,2 milímetros entre os dias 17 e 18.

No Norte do estado, a população também está em alerta. Às 18h deste domingo (26), o rio Doce já tinha subido quase seis metros do nível normal. A Defesa Civil alertou os moradores a saírem as áreas de risco. A cota de inundação é considerada quando atinge 6,20m.“Na manhã desta segunda-feira (hoje) já deverá ter água dentro na cidade”, disse o prefeito de Colatina Sérgio Meneguelli, em sua rede social.

> Incaper: Previsão de chuva para segunda-feira no Espírito Santo

Quarenta e sete cidades mineiras decretam emergência

Quarenta e sete cidades em Minas Gerais tiveram emergência decretada pelo estado até domingo. Das 44 pessoas que morreram por causa das chuvas, um total de 26 mortes foram registradas apenas na Região Metropolitana de Belo Horizonte –14 só na capital mineira, que, entre a quinta e a sexta-feira da semana passada, teve o maior volume de chuvas em 24 horas da história: 171,8 mm.

O boletim da Defesa Civil divulgado na tarde de ontem relata ainda 12 feridos e 19 desaparecidos no estado em decorrência dos temporais.

Um dos casos de morte foi de uma família que havia sido retirada de sua casa pela Defesa Civil em Belo Horizonte e voltou ao local na sexta-feira. Houve um deslizamento de terra e cinco pessoas foram soterradas. Na manhã de ontem, a prefeitura da capital mineira confirmou que os corpos encontrados no local eram dos familiares.

Com mais mortes confirmadas, Belo Horizonte passa a ser a cidade mineira com maior número de óbitos em decorrência das chuvas, com 14 vítimas. Na capital e na região metropolitana, foram ao todo 26 mortos. Mais de 15 mil pessoas estão desalojadas ou desabrigadas no estado.

Solidariedade de engenheiros

Engenheiros oferecem vistoria técnica em imóveis atingidos pela chuva em Iconha. Foto: Divulgação
Engenheiros oferecem vistoria técnica em imóveis atingidos pela chuva em Iconha. Foto: Divulgação

Quatro engenheiros de Vitória se juntaram para ajudar a população de Iconha oferecendo vistoria técnica nos imóveis atingidos. O grupo visitou 13 casas até o último domingo. “Toda essa assessoria que o morador precisaria pagar, estamos fazendo de forma voluntária”, diz engenheiro Danilo Poubel, que faz o trabalho com Angelica Zanette , Gabriela Soledade, Angélica Martins.

Mais notícias
Bem-estar

Buscas por meditação batem recorde na pandemia

Política

Supremo tem dez liminares valendo há mais de cinco anos

Dia a dia

Espírito Santo tem 7 mortes pelo coronavírus em 24 horas

País

“Vai comprar na Venezuela”, diz Bolsonaro a homem que reclamou de alta do arroz