Celso de Mello abre inquérito para investigar acusações de Moro contra Bolsonaro - ES360

Celso de Mello abre inquérito para investigar acusações de Moro contra Bolsonaro

"Embora irrecusável a posição de grande eminência do Presidente da República, impõe-se reconhecer a possibilidade de responsabilizá-lo, penal e politicamente, pelos atos ilícitos que eventualmente tenha praticado", apontou o decano do STF

Celso de Mello abre inquérito para investigar acusações de Moro contra Bolsonaro. Foto: Carlos Humberto/SCO/STF
Celso de Mello é uma das vozes mais críticas dentro da Corte aos excessos cometidos pelo chefe do Executivo. Foto: Carlos Humberto/SCO/STF

O decano do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello, decidiu nesta segunda-feira (27) autorizar a abertura de um inquérito para investigar as acusações do ex-ministro da Justiça Sérgio Moro contra o presidente Jair Bolsonaro, publicou o jornal Estado. Celso de Mello também fixou um prazo de até 60 dias para que a Polícia Federal escute Moro, conforme solicitado pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

Em sua decisão de 17 páginas – mesmo número pelo qual Bolsonaro saiu vitorioso nas urnas em 2018 – o decano observou que o presidente da República “também é súdito das leis”, apesar de ocupar uma “posição hegemônica” na estrutura política brasileira, “ainda mais acentuada pela expressividade das elevadas funções de Estado que exerce”.

“O presidente da República – que também é súdito das leis, como qualquer outro cidadão deste País – não se exonera da responsabilidade penal emergente dos atos que tenha praticado, pois ninguém, nem mesmo o Chefe do Poder Executivo da União, está acima da autoridade da Constituição e das leis da República”, frisou Celso de Mello.

Trecho da decisão do ministro Celso de Mello. Foto: Reprodução
Trecho da decisão do ministro Celso de Mello. Foto: Reprodução

“Embora irrecusável a posição de grande eminência do Presidente da República no contexto político-institucional emergente de nossa Carta Política, impõe-se reconhecer, até mesmo como decorrência necessária do princípio republicano, a possibilidade de responsabilizá-lo, penal e politicamente, pelos atos ilícitos que eventualmente tenha praticado no desempenho de suas magnas funções”, apontou Celso.

O decano ressaltou que, em uma República, não deve haver espaço para “privilégios” nem “discriminações”, impedindo-se que se estabeleçam tratamentos “seletivos em favor de determinadas pessoas”. “Afinal, nunca é demasiado reafirmá-lo, a ideia de República traduz um valor essencial, exprime um dogma fundamental: o do primado da igualdade de todos perante as leis do Estado. Ninguém, absolutamente ninguém, tem legitimidade para transgredir e vilipendiar as leis e a Constituição de nosso País. Ninguém, absolutamente ninguém, está acima da autoridade do ordenamento jurídico do Estado”, frisou o decano.

O objetivo do inquérito é apurar se foram cometidos os crimes de falsidade ideológica, coação no curso do processo, advocacia administrativa, prevaricação, obstrução de Justiça, corrupção passiva privilegiada, denunciação caluniosa e crime contra a honra. Integrantes do Ministério Público Federal (MPF) apontam que, como Aras pediu ao STF a apuração do crime de denunciação caluniosa e contra a honra, o inquérito pode se voltar contra Moro, caso as investigações não confirmem as acusações.

Segundo o Estado apurou, além de troca de mensagens, o ex-ministro da Justiça possui áudios, que devem ser entregues aos investigadores.

Desde que Bolsonaro subiu a rampa do Planalto, o decano se converteu em uma das vozes mais críticas dentro da Corte aos excessos cometidos pelo chefe do Executivo. Celso já disse que o presidente “transgride” a separação entre os Poderes, “minimiza perigosamente” a Constituição e não está “à altura do altíssimo cargo que exerce”.

Poucas horas antes da abertura do inquérito, Augusto Aras cumpriu agenda no Palácio do Planalto com o ministro-chefe da Casa Civil, Braga Netto, para tratar do enfrentamento da pandemia do novo coronavírus. De acordo com Aras, Bolsonaro entrou de passagem pela sala da reunião e cumprimentou os presentes.

Relatoria

Celso se aposenta em novembro, quando completará 75 anos, abrindo a primeira vaga na Corte para indicação de Bolsonaro. Por uma ironia do destino, se o inquérito não for concluído até lá, o seu sucessor deve herdar a apuração e os demais processos do gabinete do decano.

Integrantes da Corte, no entanto, avaliam que seria inusitado um nome indicado por Bolsonaro ficar com um inquérito que investiga justamente o presidente da República. Dessa forma, apontam que, antes disso acontecer, seria possível o caso migrar para outro ministro da atual composição, “blindando” as investigações de uma interferência do Palácio do Planalto.

Um impasse similar ocorreu em 2017, quando o então presidente Michel Temer escolheu Alexandre de Moraes para ocupar a cadeira de Teori Zavascki, morto em acidente aéreo. Os processos da Lava Jato, que estavam com Teori, não foram herdados por Moraes, e sim foram encaminhados para o gabinete do ministro Edson Fachin.

Procurado pela reportagem, o Palácio do Planalto não se manifestou.

Interferência

Ao anunciar a saída do cargo na última sexta-feira, Moro acusou Bolsonaro de tentar interferir politicamente no comando da Polícia Federal para obter acesso a informações sigilosas e relatórios de inteligência. “O presidente me quer fora do cargo”, disse Moro, ao deixar claro que a saída foi motivada por decisão de Bolsonaro.

Moro falou com a imprensa após Bolsonaro formalizar o desligamento de Maurício Valeixo do cargo de diretor-geral da Polícia Federal – o ministro frisou que não assinou a exoneração do colega. Segundo Moro, embora o documento de exoneração conste que Valeixo saiu do cargo “a pedido”, o diretor-geral não queria deixar o cargo. O próprio Moro, que aparece assinando a exoneração, afirmou que foi pego de surpresa pelo ato e negou que o tenha assinado. “Fiquei sabendo pelo Diário Oficial, não assinei esse decreto”, disse o ministro, que considerou o ato “ofensivo”. Na visão dele, a demissão de Valeixo de forma “precipitada” foi uma sinalização de que Bolsonaro queria a sua saída do governo.

“O presidente me disse que queria ter uma pessoa do contato pessoal dele, que ele pudesse colher informações, relatórios de inteligência, seja diretor, superintendente, e realmente não é o papel da Polícia Federal prestar esse tipo de informação. As investigações têm de ser preservadas. Imagina se na Lava Jato, um ministro ou então a presidente Dilma ou o ex-presidente (Lula) ficassem ligando para o superintendente em Curitiba para colher informações”, disse Moro, ao comentar as pressões de Bolsonaro para a troca no comando da PF.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Dia a dia

Pesquisa aponta elevação no número de assintomáticos no ES

Política

Procuradoria dará mais um mês para inquérito sobre Bolsonaro

Cult

Secult abre segunda etapa de edital para cultura

Dia a dia

Mais de 206 mil pessoas foram infectadas pela covid-19 no ES