Casos de pipas na rede elétrica crescem 85% no Espírito Santo - ES360

Casos de pipas na rede elétrica crescem 85% no Espírito Santo

As informações constam de levantamento feito pela EDP. Vila Velha teve o maior número de clientes afetados, 152 mil, enquanto na Grande Vitória foram 300 mil

Rede elétrica é afetada por pipas. Foto: Divulgação

Vila Velha foi a cidade na Grande Vitória na qual mais pessoas ficaram sem energia por ocorrências relacionadas a pipas na rede elétrica no ano de 2020. Foram 152 mil clientes afetados, metade do registrado em toda a Grande Vitória, já que 300 mil tiveram fornecimento de energia interrompido por causa de pipa. A Serra foi o segundo município da Grande Vitória mais afetado, com 68 mil casos, seguido de Cariacica, com 58 mil ocorrências.

As informações constam de levantamento feito pela EDP, distribuidora de energia elétrica do Espírito Santo. A empresa  alerta para o aumento expressivo de ocorrências relacionadas a pipas na rede elétrica. Nos últimos 12 meses (janeiro a dezembro/2020), em toda área de concessão, mais de 450 mil clientes tiveram o fornecimento de energia interrompido por conta das pipas sendo que, no mesmo período de 2019, esse número foi de cerca de 200 mil, um aumento de 125%. O número de ocorrências atendidas pela EDP também registrou crescimento, saltando para 1.802 ordens em 2020 ante 971 chamados em 2019, crescimento de 85%.

Na Grande Vitória, as pipas deixaram cerca de 300 mil clientes sem energia em 2020; em 2019, esse número foi de 140 mil unidades consumidoras. Os municípios mais afetados no último ano foram: Vila Velha, com 152 mil clientes, seguido por Serra, com 68.807 clientes, e Cariacica, com e outras 60 mil unidades afetadas.

No Norte do Estado, mais de 60 mil clientes tiveram o fornecimento de energia interrompido, sendo 22.847 consumidores do município de Linhares e 18.211 clientes de Aracruz. No ano de 2019, em toda região Norte, o número de unidades consumidoras afetadas foi de 17 mil.

Já na Região Sul, mais de 90 mil unidades consumidoras ficaram sem energia devido o contato de pipas com a rede elétrica. Em 2019, o número foi de 42 mil clientes. Os municípios mais impactados foram Cachoeiro de Itapemirim com 42.464 clientes que tiveram o serviço interrompido e Guarapari com 20.026.

O gestor da EDP Marcio Costalonga ressalta que a brincadeira de pipa deve ser feita sempre de forma segura. “Sempre trabalhamos para restabelecer o fornecimento de energia o mais rápido possível, mas nossa preocupação maior é com a segurança. O contato das pipas com a rede elétrica pode causar acidentes graves. As pessoas devem buscar espaços abertos, como parques e campos onde não existam o risco de contato com os fios de energia”, destaca.

É importante lembrar ainda que, no contexto de pandemia, o fornecimento de energia elétrica se torna mais essencial, seja para abastecer unidades de saúde, hospitais, mercados ou residências.

Costalonga ressalta ainda que as linhas de pipas com cerol ou produtos cortantes causam desligamentos ao romper os cabos de energia e, também, podem provocar curtos-circuitos, ao ficarem presas na fiação e serem puxadas, interrompendo o fornecimento de energia para os moradores da região. “Um curto circuito ocasionado por pipas na rede elétrica pode provocar desde danos materiais, até queimaduras, amputação de membros ou levar ao óbito. As pessoas nunca devem intervir na rede elétrica. A EDP deve ser acionada e equipes técnicas são deslocadas para fazer a limpeza da fiação e restabelecer o fornecimento de energia”, acrescentou.

Confira as dicas e brinque com segurança

– Alguns materiais utilizados na confecção de pipas são condutores de energia e aumentam o perigo quando estão em contato com a rede elétrica. Rabiola feita de fios metálicos é um exemplo;

– O uso de cerol é proibido. O cerol é um risco para motociclistas e pedestres e também oferece perigo no contato com a rede de energia. Ao cortar a camada protetora da fiação, a linha interrompe a transferência de corrente elétrica, podendo provocar curto-circuito;

– Arremessar objetos na rede elétrica para o resgate da pipa pode causar graves acidentes. O “lança-gato” (pedras presas a uma linha) ou qualquer outro item condutor de energia não devem ser lançados sobre a rede;

– Empinar pipas em locais como lajes e muros deve ser evitado. A proximidade com a rede elétrica aumenta o risco de acidentes;

– É expressamente proibido invadir as subestações da EDP para recuperar pipas e balões. Esses locais são energizados e somente pessoas autorizadas podem entrar nas estações;

– Um acidente causado por descarga elétrica pode deixar sequelas como queimaduras e até causar a morte.

Confira os números na Grande Vitória em 2020

Município

Número de clientes que tiveram interrupção de energia por pipas

Cariacica

58.780

Serra

68.807

Viana

7.714

Vila Velha

152.612

Vitória

11.671


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
País

Bolsonaro diz ser favorável à compra de vacinas por empresas com repasse ao SUS

Dia a dia

ES avalia vacina obrigatória para trabalhadores da Saúde

Esportes

Flórida diz estar pronta para ser sede dos Jogos Olímpicos se Tóquio desistir

Dia a dia

Maranata cria atendimento médico online para fieis com suspeita de Covid-19