Caixa amplia o prazo da pausa na prestação habitacional para 180 dias - ES360

Caixa amplia o prazo da pausa na prestação habitacional para 180 dias

Clientes devem solicitar a prorrogação pelo aplicativo Habitação Caixa ou demais canais disponibilizados pelo banco a partir de segunda-feira (27)

A partir da próxima segunda-feira (27), a Caixa vai disponibilizar a ampliação da pausa nas prestações dos créditos habitacionais do Programa Minha Casa Minha Vida (Faixas 1,5, 2 e 3) e do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimos (SBPE) para um período de até 180 dias.  Os clientes pessoas física e jurídica que já tiveram a pausa temporária de 120 dias concluída poderão prorrogar o prazo por mais 60 dias. Quem ainda não optou por essa alternativa também poderá solicitar a pausa de 180 dias.

Para as empresas, a opção de pausa é válida para os financiamentos à produção de empreendimentos e para os financiamentos de aquisição e construção de imóveis comerciais (modalidade individual). As opções de pagamento parcial dos encargos ou carência também serão estendidas para até 180 dias, porém não poderão ser utilizadas em conjunto com a pausa.

A medida faz parte das ações do banco para oferecer aos clientes alternativas para enfrentar os efeitos causados à economia pela covid-19. Para o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, “estender a pausa é mais uma medida importante do banco no suporte ao planejamento das famílias brasileiras nesse período de pandemia e à retomada da economia”.

Balanço:

Até o momento, mais de 2,4 milhões de mutuários já solicitaram a pausa na prestação habitacional. A CAIXA já registrou mais de 2,1 milhões de solicitações pelo aplicativo Habitação Caixa, além de cerca de 170 mil atendimentos pelo telesserviço. Atualmente, 22 serviços são oferecidos pelo banco por meio do aplicativo e do telefone, para maior comodidade e segurança dos clientes. Saiba mais clicando aqui.

Durante o período de pausa, o contrato não está isento da incidência de juros remuneratórios, seguros e taxas. Os valores dos encargos pausados são acrescidos ao saldo devedor do contrato e diluídos no prazo remanescente. A taxa de juros e o prazo contratados inicialmente não sofrem alteração.


Comentários:

  • E quem fez a pausa em março e teve que pagar agora em julho vai ter o dinheiro devolvido ou um mês a mais por ter rido que pagar antes da prorrogação de 180 dias


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Política

Na pandemia, Bolsonaro participa de convenção evangélica com 850 pessoas

País

PGR já discute futuro da Lava Jato e fim de ‘marca’

Dia a dia

ONGs combatem a fome no ES com doações

Política

Bolsonaro: na parte econômica, o Brasil foi o que melhor se saiu (na pandemia)