Brasil nunca saiu de primeira onda e prognóstico sobre vacina é difícil, diz Mourão - ES360

Brasil nunca saiu de primeira onda e prognóstico sobre vacina é difícil, diz Mourão

O vice-presidente da República destacou ainda que o Brasil superou as previsões "catastróficas" do efeito da pandemia da covid-19

Operação Verde Brasil 2 na Amazônia será prorrogada até abril, diz Mourão. Foto: Marcos Correa/PR
Hamilton Mourão. Foto: Marcos Correa/PR

 

Em live do Banco Itaú, o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, afirmou nesta segunda-feira (9), que o país “nunca saiu da primeira onda” da covid-19 e ressaltou que é preciso cautela com uma vacina contra a doença. Mourão disse ainda que é difícil um prognóstico de quando o imunizante estará disponível.

“O planejamento tem que em primeiro lugar definir quem será vacinado com prioridade porque poderá haver uma corrida. Vamos estabelecer a prioridade e divulgar, difundir, isso para a população de modo que ela entenda”, comentou o vice-presidente.

Mourão defendeu que é preciso uma “análise clara” de quem será vacinado em um primeiro momento.

O vice-presidente destacou ainda que o Brasil superou as previsões “catastróficas” do efeito da pandemia da covid-19, que em grande parte, na sua visão, não se confirmaram.

Ele afirmou que a existência do Sistema Único de Saúde (SUS) e atuação de governos em todos os níveis possibilitaram as ações de contenção da pandemia.

Mourão também ressaltou que o setor produtivo privado “está voltando à vida” e que isso se deve em especial às medidas adotadas pelo Poder Executivo.

Ele citou que, graças ao governo, os Estados estão “nadando em recursos” e que a arrecadação não caiu tanto como se previa.

Estadão Conteúdo


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Mundo

Araújo é advertido ao não usar máscara em encontro em Israel

Dia a dia

Covid: ES registra 14 mortes e 673 casos neste domingo

Dia a dia

Covid: Morre primeiro paciente transferido de SC para o ES

Dia a dia

Com auxílio, consumo de alimentos por mais pobres cresce 8%