Bolsonaro tem alta após cirurgia para retirar pedra na bexiga - ES360

Bolsonaro tem alta após cirurgia para retirar pedra na bexiga

Esta é a sexta cirurgia pela qual Bolsonaro passa desde que levou uma facada durante a campanha presidencial no dia 6 de setembro de 2018

O presidente Jair Bolsonaro. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
O presidente Jair Bolsonaro. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro recebeu alta no começo da tarde deste sábado, 26, do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo. Na manhã de sexta-feira, Bolsonaro se submeteu a uma cirurgia para a retirada de uma pedra na bexiga.

Em boletim médico divulgado às 9 horas deste sábado, a equipe médica informou que havia retirado a sonda vesical do presidente “O excelentíssimo presidente da República Jair Bolsonaro segue com ótima evolução clínica e sem complicações cirúrgicas. Não apresenta sangramentos e está afebril. Foi retirada a sonda vesical para que ele urine espontaneamente. O paciente está recebendo hidratação oral e caminhando fora do quarto”, dizia o informe assinado pelos médicos Leandro Santini Echenique, Leonardo Lima Borges e Miguel Cendoroglo.

Esta é a sexta cirurgia pela qual Bolsonaro passa desde que levou uma facada durante a campanha presidencial no dia 6 de setembro de 2018. Segundo o próprio presidente, a retirada do cálculo não está relacionada ao crime. “Esse cálculo aqui é de estimação. Eu tenho há mais de cinco anos, está na bexiga. É maior do que um grão de feijão. Resolvi tirar porque deve estar aí ferindo internamente a bexiga”, disse ele no início do mês ao anunciar a um grupo de apoiadores que faria a intervenção.

Estadão Conteúdo


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Dia a dia

De cada seis notificações, um resultado é positivo para covid-19 no ES

Dia a dia

Espírito Santo terá muita chuva nos próximos dias; veja a previsão

Dia a dia

Espírito Santo tem 15 mortes pelo coronavírus em 24 horas

Dia a dia

Rio Doce: em cinco anos, apenas 34% das famílias cadastradas receberam indenização