Bolsonaro quer criação de gado em terra indígena para derrubar preço da carne - ES360

Bolsonaro quer criação de gado em terra indígena para derrubar preço da carne

Bolsonaro afirmou que deve enviar um único projeto ao Congresso para regulamentar exploração comercial de gado

Bolsonaro é denunciado a tribunal Internacional por incitar genocídio indígena. Foto: Carolina Antunes/PR.
Bolsonaro quer criação de gado em terra indígena para derrubar preço da carne. Foto: Carolina Antunes/PR.

 

O presidente da República, Jair Bolsonaro, disse nesta quinta-feira (19), que a criação de gado em terra indígena pode ajudar a derrubar o preço da carne. “Temos de criar mais boi aqui para diminuir o preço da carne. Eles podem criar boi”, comentou o presidente, dirigindo-se a indígenas que o acompanhavam em frente ao Palácio da Alvorada.

Bolsonaro afirmou que deve enviar um único projeto ao Congresso para regulamentar exploração comercial de gado, agricultura e minério em terras indígenas. O presidente chamou a proposta de “lei áurea para o índio”, em alusão à lei que terminou com a escravidão em 1888.

> Exportações de carne podem fechar 2019 com resultado recorde

“Quero dar independência para eles. Se eles querem pegar a terra, arrendar para alguém plantar soja, milho, faça isso. Respeitando a legislação”, declarou Bolsonaro.

Bolsonaro disse que o projeto está pronto e o governo estuda o melhor momento para entregá-lo ao Congresso. O presidente afirmou que já viu líderes na Câmara contra a proposta. “Contra por quê? Vão continuar explorando terra deles (dos indígenas). Extração de maneira ilegal, extração mineral ilegal, (como) vem acontecendo”, comentou Bolsonaro.

O presidente afirmou que há interesse estrangeiro em demarcar terras indígenas e torná-las “independentes” para explorar o território. “A ideia não é protegê-los. É pegar o que eles têm de bom lá, ou a gente acha que o estrangeiro está preocupado com o futuro dela e dele? Não tá preocupado”, disse.

> Carnes podem continuar subindo até início de fevereiro, diz FGV

Bolsonaro também insinuou que o governo já deixou propositalmente de atender índios doentes. “Já tivemos problema no pelotão de fronteira do Exército. Chega o índio picado de cobra (lá). Não deixava ser atendido e o índio morria. Não queriam que os outros índios vissem que nós poderíamos curar alguém picado de cobra. Qual era a intenção disso? Deixar as terras virgens, intactas, para serem exploradas no futuro por outros povos”, disse o presidente.

Comissão aprova PEC

Em agosto, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara aprovou parecer pela admissibilidade de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que prevê atividades agropecuárias e florestais em terras indígenas.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), porém, não instalou comissão especial para discutir a proposta, passo seguinte necessário para a tramitação do texto.

Estadão Conteúdo

Mais notícias
Dia a dia

Chuvas deixam mais de 10 mil pessoas fora de casa

País

TRF-3 nega pedido do governo e mantém suspensa divulgação do resultado do Sisu

Dia a dia

Casagrande fala sobre reconstrução de cidades atingidas pelas chuvas

Dia a dia

Direito Para Todos: comércio sofre com saques após chuvas