Bolsonaro aciona Moro para PF ouvir porteiro em caso Marielle - ES360

Bolsonaro aciona Moro para PF ouvir porteiro em caso Marielle

Investigações da Polícia Civil apontam que o um dos suspeitos de envolvimento na morte da vereadora entrou no condomínio onde mora o presidente no Rio dizendo que iria para a casa de Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro diz já estar em contato com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, para que a Polícia Federal ouça em um novo depoimento o porteiro do condomínio Vivendas da Barra, onde mora o chefe do Executivo Nacional no Rio de Janeiro, na investigação da morte da vereadora Marielle Franco.

> Caso Marielle: Suspeito visitou condomínio de Bolsonaro no dia do crime, diz ‘JN’
> Bolsonaro diz que não tinha motivo para matar ninguém e ataca Witzel

Segundo o UOL, Bolsonaro acredita que o porteiro pode ter se equivocado em seu depoimento à Polícia Civil. “O porteiro ou se equivocou ou não leu o que assinou. Pode o delegado [da Polícia Civil] ter escrito o que bem entendeu e o porteiro, uma pessoa humilde, né, acabou assinando embaixo. Isso pode ter acontecido. Estou conversando com o ministro da Justiça, o que pode ser feito para a gente tomar, para a polícia pegar o depoimento novamente. O depoimento agora desse porteiro pela PF”, disse bolsonaro ao UOL.

> Witzel nega interferência política em inquérito sobre morte de Marielle
> TV Globo se defende de ataques desferidos por Bolsonaro

Nesta terça-feira, o Jornal Nacional divulgou registros da portaria onde trabalha a testemunha que apontam apontam que Élcio de Queiroz, um dos suspeitos de envolvimento na morte da vereadora Marielle Franco, entrou no local no dia do assassinato, em 14 de março de 2018, dizendo que iria para a casa do então deputado.

Durante a madrugada, o presidente, que viaja pelo Oriente Médio, fez uma transmissão nas redes sociais e se defendeu dizendo que não tinha motivo nenhum para matar alguém. “Eu gostaria muito de falar neste processo, conversar com esse delegado”, disse. Bolsonaro ainda afirmou que, “pelo que tudo indica”, o processo sobre a morte de Marielle está “bichado” e pediu ao Conselho Nacional do Ministério Público que “supervisione o processo”.

Com Estadão Conteúdo

Mais notícias
Dia a dia

ES vai fazer convênio com laboratórios para ampliar testagem de covid-19

Dia a dia

Greve do lixo: Justiça aplica multa e ordena condução de sindicalistas pela polícia

Dia a dia

Covid-19: Espírito Santo tem 27 óbitos e 1.072 casos em 24 horas

Dia a dia

Espírito Santo aumenta de novo número de leitos de UTI para covid-19