Bolsa interrompe negócios pela segunda vez no dia após queda de mais de 15% - ES360

Bolsa interrompe negócios pela segunda vez no dia após queda de mais de 15%

Ações e dólar sentem os efeitos das inseguranças em relação ao avanço do novo coronavírus; EUA suspenderam voos da Europa para o país

A B3, Bolsa de Valores de São Paulo, acumulou mais de 15% de queda e paralisou as negociações pela segunda vez no dia. A primeira utilização do “circuit breaker”, nesta quinta-feira, 12, aconteceu menos de 20 minutos depois do início do pregão, com mais de 11% de queda, Por volta das 11h13, o dispositivo foi acionado pela segunda vez. A primeira pausa durou 30 minutos. Agora, é de uma hora.

Quando forem reabertas as negociações, caso a variação do Ibovespa atinja oscilação negativa de 20% em relação ao índice de fechamento de ontem, a B3 pode determinar a suspensão da negociação por um período por ela definido. Desde que foi adotado em 1997, o mecanismo de suspensão temporária dos negócios foi acionado 21 vezes. Mas é apenas a quarta vez que a suspensão por uma hora ocorre. Neste mês, a Bolsa de Valores já se desvalorizou 30,86% e, no ano, 37,72%.

O dólar também abriu as negociações nessa quinta-feira, 12, em forte alta. A moeda americana começou o dia cotada a R$ 5,0280, maior valor nominal (sem levar em conta a inflação) desde o início do Plano Real. Após leilão realizado pelo Banco Central, que tentou injetar no mercado US$ 3,5 bilhões, mas apenas US$ 1,6 bilhões foi vendido. Após essa ação do BC, a moeda americana flutua na casa dos R$ 4,90.

As bolsas norte-americanas também entraram em “circuit breaker” instantes após a abertura. Por lá, as bolsas foram travadas em queda na faixa de 7,00%, enquanto na B3, o Ibovespa travou ao despencar 11,65%, aos 75.247,25 pontos. Às 10h53, os índices americanos voltaram a operar.

Tudo isso acontece em meio às incertezas para a economia global provocadas pelo avanço do coronavírus e ao temor com os rumos do ajuste fiscal no Brasil, após o Congresso aprovar uma medida que cria um novo gasto de R$ 20 bilhões ao ano para o governo, o mercado financeiro vive mais um dia de perdas.

Contexto mundial e local

Todo esse pânico reflete a decisão anunciada ontem pela Organização Mundial de Saúde (OMS) de considerar o coronavírus uma pandemia. Mais à noite, ainda na quarta, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou a suspensão de voos provenientes da Europa aos EUA, visando a diminuir as possibilidades de contágio. Com isso, as Bolsas na Ásia passaram a ter perdas relevantes, fechando em queda generalizada na madrugada desta quinta. Os mercados europeus operam, neste momento, em baixa – também generalizada – , e o petróleo recua mais de 5%, nos dois principais índices – WTI e Brent.

o petróleo ainda causa um caos à parte nas Bolsas no mundo inteiro. Desde o início da semana, os preços vêm sofrendo grandes oscilações. Para se ter uma ideia, na segunda-feira, 9, a commodity caiu para o menor valor em quase 30 anos, para patamares que não eram atingidos desde 1991, época da Guerra do Golfo.

No Brasil, além de tudo isso, ainda há o componente local de discordância entre Executivo e Legislativo em relação ao Benefício de Prestação Continuada (BPC). O Congresso derrubou ontem o veto do presidente Jair Bolsonaro ao projeto que eleva o limite de renda familiar per capita para concessão do BPC, um auxílio pago a idosos de baixa renda e pessoas com deficiência. No Senado, foram 45 votos pela derrubada do veto a 14 e, na Câmara, 302 a 137. A votação significa uma derrota para o governo, em meio a uma crise entre os dois Poderes na disputa pelo controle do Orçamento. A equipe econômica deve buscar uma saída jurídica para tentar barrar a decisão. O governo estima um impacto de R$ 217 bilhões em uma década com a derrubada do veto, sendo R$ 20 bilhões apenas este ano.

Medida comum nas últimas negociações de dólar no Brasil, o Banco Central realizou leilão no mercado de câmbio de US$ 2,5 bilhões, às 9h15. Inicialmente, seria ofertado R$ 1,5 bilhão. Deste valor, foram vendidos apenas US$ 1,278 bilhão, e há pouco o BC anunciou outra oferta à vista equivalente à diferença não negociada. Já no exterior, o Banco Central Europeu divulga decisão de política monetária às 9h45.

ETF de mercados emergentes cai

O iShares MSCI Emerging Markets (EEM), fundo de índice (ETF, na sigla em inglês) de mercados emergentes, que acompanha as principais cotações de Bolsas dos respectivos países considerados para o grupo, negociado em Nova York, opera em forte queda no pré-mercado na manhã desta quinta-feira, seguindo o mau humor generalizado dos mercados financeiros globais. Às 9h10 (de Brasília), o EWZ tinha baixa de 3,79% no pré-mercado, a US$ 36,04.

Juros disparam até 123 pontos

A extrema aversão a risco global fez os juros futuros dispararem até 123 pontos na abertura, atingindo os limites de alta entre os vencimentos para janeiro de 2021 a janeiro 2025, travando os negócios. Há pouco, apenas o DI para janeiro 2021, correlacionada à precificação da taxa Selic, por exemplo, subia menos que o limite de alta. Às 9h19, a taxa de depósito interfinanceiro (DI) para janeiro de 2021 estava em 4,99%, na mínima, de 4,21% no ajuste de ontem. O DI para janeiro de 2022 disparava para 6,13%, no limite de alta, de 5,03%. O DI para janeiro de 2023 avançava para 7,10%, no limite de alta, de 5,92%. O DI para janeiro de 2025 subia para 8,12%, no limite de alta, de 6,89% no ajuste anterior.

Estadão


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Teste

Teste do campo de Autoria

Bem-estar

"O ES pode colapsar junto", afirma secretário de Saúde

Dia a dia

Saiba como agendar a vacina contra covid no Espírito Santo

Esportes

Olimpíada deve receber número limitado de torcedores