Aras completa um ano como PGR em litígio com Lava Jato - ES360

Aras completa um ano como PGR em litígio com Lava Jato

Fora da agenda, Bolsonaro se convida para ir à PGR encontrar Augusto Aras. Foto: Antonio Augusto/Secom/PGR
Aras é considerado alinhado ao presidente Jair Bolsonaro. Foto: Antonio Augusto/Secom/PGR

O procurador-geral da República, Augusto Aras, completa nesta sábado, 26, um ano à frente do cargo em litígio com a força-tarefa da operação Lava Jato, que levou para a cadeia figuras influentes da política e da economia. Nos últimos 12 meses, ele imprimiu um estilo centralizador e um discurso de críticas ao modelo de forças-tarefa. Com isso, ganhou dos colegas do Ministério Público a pecha de linha auxiliar do presidente Jair Bolsonaro em frentes de batalhas políticas e familiares.

Numa delas, Aras se posicionou no Supremo Tribunal Federal (STF) favorável a derrubar uma ação contra o foro privilegiado do senador Flávio Bolsonaro, filho mais velho do presidente. Em outra, sinalizou, nos bastidores, que deve arquivar o inquérito que apura interferência de Bolsonaro na Polícia Federal – aberto pelo próprio procurador-geral após denúncia do ex-ministro da Justiça Sérgio Moro. O silêncio de Bolsonaro em relação à guerra entre Aras e a Lava Jato ocorre em paralelo à aproximação do presidente com o bloco dos partidos do Centrão, alvo dos lavajatistas.

Aras e Bolsonaro mantêm relação direta, sem interlocutores, afirmam auxiliares de ambos, no Ministério Público Federal e no Palácio do Planalto. Em um exemplo dessa proximidade, recentemente o presidente tentou, sem sucesso, um contato com o procurador-geral, que estava fora de Brasília. Pediu, então, ao ex-deputado federal Alberto Fraga, também amigo de Aras, para localizá-lo. Fraga diz que entrou em contato com o procurador-geral para dar a informação, mas Aras já tinha falado com Bolsonaro. No ano passado, o ex-parlamentar ajudou na aproximação entre eles. Procurado para comentar esse caso e a relação entre o presidente e Aras, o Palácio Planalto não se pronunciou.

O chefe do Ministério Público nega o episódio envolvendo Fraga e ressalta que todo diálogo com Bolsonaro e os ministros do governo é institucional. Aliados de Aras apontam haver uma “antipatia natural” da categoria porque o PGR foi nomeado pelo presidente, mesmo sem constar na lista tríplice elaborada pela associação de procuradores.

Supremo

A intenção de ser indicado para o Supremo Tribunal Federal – Bolsonaro poderá indicar um ministro ainda este ano, com a aposentadoria de Celso de Mello, e outro em 2021, após a saída de Marco Aurélio Mello – também é citada por críticos do procurador. Tanto no governo quanto no MP, Aras é visto como candidato a uma das vagas. A pessoas próximas, ele nega a intenção e já afirmou que um PGR não pode querer ser ministro do Supremo para não aviltar o cargo que ocupa.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Eleições 2020

Com suspeita de covid, Gandini suspende agenda de campanha em Vitória

Eleições 2020

Após denúncias de disparos em massa, 256 contas são banidas do WhatsApp

País

DOU extra traz revogação de decreto sobre PPI na saúde pública

Dia a dia

Covid-19: Espírito Santo tem 9 mortes e 788 casos em 24 horas