Arábia Saudita e Rússia reafirmam acordo de corte da Opep+ e veem reequilíbrio - ES360

Arábia Saudita e Rússia reafirmam acordo de corte da Opep+ e veem reequilíbrio

Ministro russo disse que é possível notar os primeiros sinais de desaceleração na alta dos estoques de petróleo, que devem recuar adiante, contribuindo para o maior equilíbrio e estabilidade do setor

Ministros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) realizam reunião virtual nesta quarta-feira, 19, a fim de tratar do acordo conjunto para corte da oferta da commodity, a fim de sustentar seus preços. Em suas declarações iniciais, as autoridades de Arábia Saudita e Rússia destacaram a importância de iniciativa e afirmaram que veem um quadro de retomada na demanda e maior equilíbrio no mercado de energia. Além disso, o ministro saudita comentou que o acordo para corte na demanda poderia ir além de abril de 2022, se necessário.

O ministro de Energia russo, Alexander Novak, qualificou a decisão de cortar a oferta adotada pela Opep+ de “justificada”, diante do choque econômico provocado pela covid-19. Segundo ele, o esforço já gera um resultado “significativo”.

Novak disse que é possível notar os primeiros sinais de desaceleração na alta dos estoques de petróleo, que devem recuar adiante, contribuindo para o maior equilíbrio e estabilidade do setor. Além disso, notou que ocorreu uma queda na produção de petróleo em países de fora do grupo, como Estados Unidos e Canadá, o que contribui para o reequilíbrio.

De qualquer modo, Novak ressaltou que o mercado de petróleo “segue muito volátil”. Com isso, é necessário continuar a cumprir o acordo da Opep+, comentou.

Em seu discurso, o ministro da Energia da Arábia Saudita, Abdulaziz bin Salman Al Saud, afirmou que há sinais “encorajadores de retomada na demanda global” no setor energético. Ele disse que existe a expectativa de que a demanda por petróleo no quarto trimestre deste ano esteja em 97% do equivalente no pré-pandemia.

Saud citou o recuo nos estoques e a recuperação na demanda por gasolina e diesel em muitos países, como a própria Arábia Saudita. Segundo ele, porém, é importante manter a vigilância sobre o mercado e o ministro saudita disse que pode ser necessário manter o acordo de corte na oferta para além do prazo de abril de 2022.

De acordo com a autoridade saudita, o nível de cumprimento do acordo da Opep+ é “sem precedentes”, tendo atingido justamente 97% do total almejado.

Após as declarações iniciais das autoridades, transmitidas online, os ministros iriam prosseguir com a reunião virtual fechada.

Estadão Conteúdo

Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Dia a dia

Deputado pede investigação de Heleno por monitorar ambientalistas

Dia a dia

Covid-19: Espírito Santo volta a registrar mil casos em 24 horas

Dia a dia

Mortes violentas no Espírito Santo crescem em ritmo maior que no Brasil

País

Lewandowski nega recurso da Globo e manda ao TJ do Rio caso das “rachadinhas”