Após pesquisa desfavorável, governadora de Tóquio nega cancelamento da Olimpíada - ES360

Após pesquisa desfavorável, governadora de Tóquio nega cancelamento da Olimpíada

Yuriko Koike reconheceu que a maioria dos japoneses se opõem à realização em 2021 do evento, devido a um aumento dos casos de covid-19, mas disse estar convencida que estas preocupações podem ser ultrapassadas

A governadora de Tóquio, Yuriko Koike, declarou nesta terça-feira não ver “qualquer cenário” suscetível que possa levar ao cancelamento dos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020, adiados em um ano devido à pandemia do novo coronavírus. Ela reconheceu que uma maioria do público japonês continua a se opor à realização em 2021 do evento, devido a um aumento dos casos de covid-19, mas disse estar convencida que estas preocupações podem ser ultrapassadas.

“O público japonês e os residentes de Tóquio estão focados na situação atual”, declarou Koike em declarações dadas nesta terça-feira. “Nós estamos voltados para o futuro”, acrescentou.

A governadora advertiu que o futuro de Tóquio-2020, inicialmente marcado para o verão (do hemisfério norte) deste ano, terá um impacto nos futuros eventos olímpicos como os Jogos de Inverno de 2022, em Pequim, na China, e a Olimpíada de 2024, em Paris, na França.

Os Jogos de Tóquio-2020 foram os primeiros da história a serem adiados em tempo de paz e um novo adiamento foi já excluído pelos organizadores e responsáveis japoneses.

Uma sondagem divulgada pela cadeia de televisão pública japonesa NHK mostra que apenas 27% dos japoneses apoiaram a realização dos Jogos Olímpicos em 2021, sendo 32% favoráveis à anulação e 31% a um novo adiamento.

Outras sondagens de opinião confirmaram as reticências do público japonês. Na segunda-feira, a agência de notícias Jiji divulgou uma sondagem, na qual 21% dos entrevistados defenderam a anulação e cerca de 30% um novo adiamento. Em uma pesquisa idêntica, publicada no último dia 6 pela agência de notícias japonesa Kyodo, 61,2% opuseram-se à realização de Tóquio-2020 no próximo ano.

O recente lançamento de campanhas de vacinação em diferentes regiões do mundo veio reforçar a confiança dos organizadores na possibilidade de realizar os Jogos Olímpicos, mesmo se ela não for obrigatória para atletas ou torcedores.

No entanto, e ao mesmo tempo que as primeiras vacinas começam a ser distribuídas, novos casos de infecções estão surgindo em vários países, incluindo o Japão, onde o balanço é relativamente baixo, com menos de 2.600 mortos desde o início da pandemia, de acordo com dados oficiais.

No início de dezembro, os organizadores anunciaram que os Jogos Olímpicos iriam custar 2,1 bilhões de euros (mais de R$ 13 bilhões, na cotação atual) a mais do que o inicialmente previsto, o que elevou o orçamento total provisório para cerca de 13 bilhões de euros (quase R$ 81 bilhões).

Em 2021, os Jogos Olímpicos acontecerão entre 23 de julho e 8 de agosto e os Paralímpicos entre 24 de agosto e 5 de setembro.

Estadão Conteúdo


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
País

Governo do AM sugere abrir valas no interior por falta de oxigênio

Dia a dia

Covid-19: Espírito Santo registra 19 mortes e 1.208 casos em 24 horas

País

Secretário de SP diz que ainda aguarda posição sobre doses da Coronavac para SP

Mundo

Em razão da nova cepa, Itália suspende voos vindos do Brasil