Após entrar em risco alto de covid, Anchieta volta a proibir acesso a praias - ES360

Após entrar em risco alto de covid, Anchieta volta a proibir acesso a praias

Município também estabeleceu toque de recolher, restringindo a permanência de pessoas nas ruas das 21h às 5h

Praias de Anchieta são isoladas. Foto: Prefeitura de Anchieta
Após entrar na faixa de alto risco de proliferação do coronavírus, conforme estabelecido pelo Mapa de Risco da Secretaria da Saúde, o município de Anchieta voltou a proibir o acesso às praias do município, inclusive com bloqueio de algumas praias, como a prefeitura já fez nos primeiros meses da pandemia. Além disso, o novo decreto da prefeitura restringiu o fluxo de turistas no município, proibindo a entrada de ônibus, vans e outro veículo de turismo.
O decreto com as novas medidas para enfrentamento da pandemia da covid-19 prevê também toque de recolher, autorizando a abordagem de pessoas no horário entre 21h e 5h, recomendando o retorno para suas residências.
Segundo a prefeitura, as gerências de Segurança e de Fiscalização estão autorizadas a dispersar aglomerações e a realizar o isolamento de acesso a esses locais. Todas essas medidas estão em novo decreto publicado na segunda-feira (17).  O município também vai instalar barreiras sanitárias nos limites territoriais.
Já os estabelecimentos comerciais poderão admitir atendimento presencial de terça a sábado, no horário das 10h às 16h, adotando todas as medidas sanitárias recomendadas pelos órgãos de saúde.
Em entrevista à BandNews FM Espírito Santo, a secretário de Desenvolvimento Econômico e Integração de Anchieta, Paula Louzada, conversou sobre as restrições impostas no município.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Dia a dia

De cada seis notificações, um resultado é positivo para covid-19 no ES

Dia a dia

Espírito Santo terá muita chuva nos próximos dias; veja a previsão

Dia a dia

Espírito Santo tem 15 mortes pelo coronavírus em 24 horas

Dia a dia

Rio Doce: em cinco anos, apenas 34% das famílias cadastradas receberam indenização