Ana Maria Braga diz estar curada do câncer de pulmão - ES360

Ana Maria Braga diz estar curada do câncer de pulmão

Ana falou ainda que finalmente parou de fumar

Apresentadora Ana Maria Braga. Foto: Reprodução/Instagram
Apresentadora Ana Maria Braga. Foto: Reprodução/Instagram

 

Ana Maria Braga afirmou nesta sexta-feira (24), durante o “Encontro” com Fátima Bernardes, que está curada do câncer de pulmão. Ela conta que o exame que mapeia substâncias radioativas no corpo, realizado na sua quarta sessão de quimioterapia, surpreendeu os médicos. “O pessoal que participou do exame de imagem saiu aplaudindo. Comparando meu exame da primeira vez para ontem [quinta-feira, 23], sumiu tudo”, comemorou.

Esta é a quinta vez que Ana Maria enfrenta um câncer, mas, mesmo assim, sempre acreditou que iria sobreviver. Ela afirma ainda que, como está distante da família e amigos devido à quarentena do coronavírus, seu marido, o francês Johnny Lucet, tem a ajudado a lidar emocionalmente com a situação.

“No dia que fiz meu primeiro PET scan, ele estava comigo emocionado na sala e falei: ‘I will survive’ (Vou sobreviver, em inglês). Não sei se ele acreditou muito porque ele continuou chorando”, recorda. “Parece que as coisas foram desenhadas. Estou sem minha família, sem minhas crianças, sem meus amigos e ele tem sido um parceiro maravilhoso”, disse.

Ana falou ainda que finalmente parou de fumar. Ela confessou que sempre teve dificuldade para parar e remédios contra o vício lhe faziam mal. “Estou agora num recorde de audiência do cigarro. Ninguém aqui em casa fuma. A única louca aqui era eu”, afirmou, em tom bem-humorado.

Estadão Conteúdo


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais notícias
Dia a dia

Brasil registra 807 novos óbitos por coronavírus; total de mortos passa de 23 mil

Dia a dia

Espírito Santo já contabiliza 465 mortes por coronavírus

Dia a dia

Por que o governo optou por não montar hospital de campanha na Grande Vitória

Política

Bolsonaro nega interferência na Polícia Federal