A nova era dos investimentos brasileiros – parte II - ES360

A nova era dos investimentos brasileiros – parte II

Desde o início do ciclo de corte na taxa de juros (meados de 2016), tivemos um aumento ainda tímido dos CPFs cadastrados na bolsa de valores brasileira (B3), já demonstrando o apetite para risco desses indivíduos em busca de maiores retornos, condizente com a queda gradual da taxa de juros.

Tal movimento foi intensificado com o início da pandemia, em que muitas pessoas tiveram diminuição de renda e/ou perda de emprego, em busca de maiores rendimentos e até mesmo complemento para a renda mensal. O cidadão se viu obrigado a assumir mais risco nas carteiras de investimentos, mas não se preparou para isso.

O exemplo é a grande quantidade de pessoas que questionam como investir na bolsa sem nunca terem experimentado qualquer volatilidade, querendo investir o único capital remanescente dessa crise e que deveria servir como reserva de emergência, buscando retornos altos e rápidos. Uma má notícia para quem deseja isso: renda variável é um mercado de longo prazo, acima de 5 anos.

Mas, então, como iniciar? Como dito na semana passada, foque na reserva de emergência! Tenha um capital que te sustente por até 6 meses de despesas mensais. Não é daqui que teremos rentabilidade, mas, sim, conforto e segurança, caso qualquer imprevisto ocorra (COVID-19, por exemplo). Nesse ponto, podemos ter aplicações como Tesouro, Selic, CDBs de liquidez diária, fundos de renda fixa com liquidez etc. No cenário atual, até a própria poupança serve como opção!

Após a reserva completada, pense no médio prazo. A aquisição e/ou manutenção de um apartamento, uma casa, um carro. Quanto maior o prazo desse objetivo, maior possibilidade de risco você pode ter na carteira. Divida os objetivos por prazo, facilitará na escolha do investimento. Aqui podemos começar por multimercados, aplicações de renda fixa com prazo maior, crédito privado, alocação internacional, dentre outros.

Por último, pense no longo prazo: aposentadoria e sucessão de patrimônio. Investimentos com benefícios tributários, que trabalhem a sucessão do seu capital e paguem menos impostos, podem facilitar. Já podemos começar a pensar na previdência privada, instrumento que possui benefício tributário (10% de imposto de renda após 10 anos, na tabela regressiva).

Se você não tem paciência para esses primeiros passos e quer ir direto para a renda variável, fique à vontade, mas devo avisar que você não vai multiplicar seu capital e se tornar um milionário em semanas – estatisticamente, a probabilidade de você quebrar é maior.

Fuja das promessas de rentabilidade garantida e sem risco. Por experiência pessoal como assessor de investimentos, basicamente, em todas as vezes em que vi isso acontecer, o final foi o mesmo: polícia fechando escritório e prendendo os donos.

Crescimento de patrimônio se dá por meio de dois fatores: tomada de risco e longo prazo. Aumentando o perfil de risco da carteira (ações, fundos imobiliários, empreendedorismo) e trabalhando duro para que isso perdure por alguns bons anos, aí, sim, você verá a multiplicação do capital. Se você passa a vida inteira trabalhando das 8 às 18 horas e planejando se aposentar, por que não aplicar uma parte desse ganho pensando para daqui 20, 30, 50 anos?

Sobre o autor

Gabriel Bylaardt Meira Rodrigues. Foto: Divulgação
Gabriel Bylaardt Meira Rodrigues. Foto: Divulgação

Gabriel Bylaardt Meira Rodrigues é sócio da Valor Investimentos. Assessor de investimentos credenciado à CVM e B3. Atua com assessoria e alocação de investimentos há cinco anos. Graduado em Ciências Contábeis e atualmente participa como Diretor de Formação do IBEF Jovem.

Ibef Academy é o ciclo de formação do IBEF Jovem ES, focado em conteúdo das áreas de finanças e economia. Seu objetivo é melhorar o ambiente de negócios e financeiro do Espírito Santo, através da auto capacitação de seus membros nas referidas áreas. O IBEF Jovem ES, por sua vez, é o braço do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças do Espírito Santo (IBEFES) que reúne profissionais com até 35 anos.

Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do ES360.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais Colunas