A máquina da infelicidade - ES360

A máquina da infelicidade

Você sabia que a felicidade está dentro de nós, mais especificamente no nosso cérebro? Quando algo acontece, não é o fato em sim que é bom ou ruim, e sim os pensamentos e as sensações sobre o fato. Se a felicidade e a infelicidade estão na nossa cabeça, então vamos conhecer um pouquinho mais sobre as 4 características do nosso cérebro.

Primeiro, o nosso cérebro é uma maquina de sobrevivência (e de infelicidade). A neurociência explica que nosso cérebro foi desenhado para sobreviver e perpetuar a espécie. Simples assim. Ele é primitivo e programado para identificar o perigo para fugir. Isso significa que somos muito atraídos pelo que é ruim. E para piorar as coisas, o que é bom, nosso cérebro tem bastante dificuldade de perceber e arquivar. O neurocientista, Rick Hanson, diz que nosso cérebro é velcro para o que é ruim e teflon para o que é bom.

Segundo, o cérebro não gosta de mudanças. Ele também procura manter as coisas como estão. Para o cérebro, mudanças significam ameaças. Por isso sentimos medo e insegurança diante de mudanças.

Terceiro, o cérebro funciona no piloto automático, tudo para salvar energia e tempo. A grande questão é o que piloto automático é formado pelas imagens que construímos ao longo da vida, do que ouvimos, do que passamos. Se sofremos, o nosso modo automático será de sofrimento. Se assistimos muita notícia ruim, nosso modo automático será de que só acontece coisa ruim. Não enxergamos o todo, só partes. E isso leva a 4 característica do cérebro.

Em quarto, o cérebro distorce a realidade. De acordo com Daniel Kahneman, psicólogo que ganhou o Nobel da Economia, nós temos uma visão distorcida da realidade. O que achamos que é real é uma “fantasia” do cérebro. Nada mais é do que uma tentativa de nos proteger. Nosso cérebro é cheio de falsas verdades, muitos “mitos”.

Aí veio uma grande surpresa: meu cérebro não sou eu. Meu cérebro é um órgão comandado por mim. Mais especificamente pela minha mente. E a grande descoberta foi saber que a minha mente pode moldá-lo. De acordo com a neurociência, nosso cérebro é um órgão que aprende. Ele é desenhado para ser alterado de acordo com nossas experiências e hábitos. O que pensamos e sentimos, aos poucos, vai esculpindo a estrutura neural. Bem, diante disso tudo ficou claro pra mim que a responsabilidade da minha felicidade é 100% minha. Já que o ano começa em março, que tal aproveitar para vigiar seus pensamentos e suas emoções, e assim mudar a forma como você enxerga sua a vida e a felicidade?

Flávia da Veiga é empresária, publicitária e fundadora da BeHappier

Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do ES360.


Comentários:

  • …interessante achei muito bom deve ser isso mesmo……vou tentar ser mais feliz, obrigado vlw…..!!!


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais Colunas
FELICIDADE - FOTO: Pixabay

Pessoas felizes podem viver até nove anos mais

O tema da coluna desta semana é a relação entre a felicidade e a saúde

É possível ser feliz em tempos de coronavírus. Foto: Gino Crescoli/Pixabay

A felicidade e as forças do caráter

Nesta semana Flávia da Veiga recebe Juliana Carneiro, especialista em felicidade e pós-graduada em psicologia positiva para falar sobre as forças que moldam o nosso caráter

As formas de encontrar a felicidade pela medicina chinesa

Na BandNews FM Espírito Santo, Flávia da Veiga conversa com fisioterapeuta sobre a busca pela felicidade com foco na saúde

PLUS SIZE WOMAN FELICIDADE - FOTO: PIXABAY

A importância do autocuidado e da autoestima

Na BandNews FM, Flávia da Veiga recebe a idealizadora do movimento Mulher Plus, Bruna Miranda, para falar sobre os temas

FELICIDADE - FOTO: Pixabay

A relação entre felicidade e sustentabilidade

Na coluna Caminhos da Felicidade desta semana, Flávia da Veiga e Sidemberg Rodrigues promovem um debate sobre sustentabilidade e felicidade

FELIZ

A felicidade pode ser contagiosa

Na coluna desta semana, Flávia da Veiga comenta sobre como a felicidade pode ser contagiosa