A liberdade de contratar e o estado interventor - PT. II - ES360

A liberdade de contratar e o estado interventor – PT. II

  • Por Marcelo Mendonça

Na forma abordada no artigo anterior, sobre esse mesmo tema, a iniciativa privada é soberana em relação às partes envolvidas em determinado negócio, devendo ser respeitada e alheia de qualquer ato coercitivo que venha a envenená-la.

Assim é que, se um locador, em determinado contexto socioeconômico, decidiu locar seu imóvel de 20 m² a mil reais o metro quadrado, ou seja, R$ 20.000,00 (vinte mil reais) mensais, e, de outro lado, outro indivíduo decidiu pagar esse valor voluntariamente, é porque, fatalmente, ambos viram valor na negociação.

O locador percebeu que, em contrapartida a ceder a posse de seu imóvel, receberia os R$ 20.000,00, ou seja, para ele, tal quantia lhe é mais importante que o uso daquele bem. Por outro lado, o locatário, ao dispor mensalmente de R$ 20.000,00 para ter em troca 20 m² de espaço, viu que tal posse lhe traria mais vantagens que àquela quantia. A troca foi voluntária, assim como as disposições contratuais definidas livremente. É impossível a qualquer outra pessoa ou ente dizer que o contrato está caro ou barato, visto que as partes, voluntariamente, decidiram seguir daquela forma.

Em caso de alteração do contexto socioeconômico, como a atual pandemia em que estamos, cabe às partes, e somente a elas, buscar a renegociação das trocas e regras contratualmente expostas. Não deve uma das partes ser auxiliada por um ente que possa usar de seu poder coercitivo para decidir o que é melhor para ela, visto que, ao fazê-lo, prejudicará o outro contratante. Isso se dá, em especial, porque todos estão em semelhante situação, todos foram impactados pela crise decorrente da COVID-19.

Portanto, se uma das partes pode ser auxiliada pelo poder estatal para reduzir o valor de uma locação, por exemplo, por que não poderia a outra parte ser auxiliada para conseguir um aumento?

Todos os setores foram afetados pela atual crise, de forma que a igualdade de condições se mantém, bem como o direito de livre pactuar e negociar entre si. Ambas as partes possuem obrigações e deveres pecuniários, todos perderam faturamento, logo continuam em situação de igualdade, devendo, portanto, ser mantido o respeito à livre iniciativa e à liberdade econômica de contratação entre os indivíduos.

Tanto é que cabe às partes, e somente a elas, renegociar os direitos e as obrigações contratuais, conforme muito bem garantido pela Constituição Federal, pelo Código Civil e pela Lei da Liberdade Econômica. E, ainda que não exista norma legal expressa sobre a liberdade contratual e sua supremacia em relação ao poder público, é grande prejuízo atrapalhar as relações privadas, já que elas compõem o setor produtivo, o qual garante o pagamento de tributos e a própria existência do Estado.

Logo, ainda que estejamos diante de relações consumeristas, trabalhistas ou qualquer outra que vise impor uma (inexistente) vulnerabilidade entre particulares, a relação particular deverá ser mantida, respeitada e garantida, salvo situações excepcionalíssimas que mostrem uma vantagem excessiva de um em detrimento de outro, ou descumprimento contratual, entrega de serviço diverso do contratado etc., em que a busca ao Judiciário vise exatamente garantir os direitos contratados.

Desse modo, é dever do Estado, por meio de seus três poderes, garantir a livre iniciativa e a liberdade de contratação.

Sobre o autor

Marcelo Otávio de A. B. Mendonça. Foto: Divulgação/IBEF
Marcelo Otávio de A. B. Mendonça. Foto: Divulgação/IBEF

Marcelo Mendonça, advogado especialista em operações societárias e empresário, é presidente do Ibef Jovem ES e membro do Líderes do Amanhã.

Ibef Academy é o ciclo de formação do IBEF Jovem ES, focado em conteúdo das áreas de finanças e economia. Seu objetivo é melhorar o ambiente de negócios e financeiro do Espírito Santo, através da auto capacitação de seus membros nas referidas áreas. O IBEF Jovem ES, por sua vez, é o braço do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças do Espírito Santo (IBEFES) que reúne profissionais com até 35 anos.

Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do ES360.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais Colunas