A influência da imigração na economia das potências mundiais – parte 2 - ES360

A influência da imigração na economia das potências mundiais – parte 2

Na parte 1 deste artigo falei sobre como a imigração pode ter influenciado a economia americana. Agora, farei uma comparação com a China, país no topo dentre as maiores economias do mundo e com políticas imigratórias bastante diferentes da americana.

Fazendo um pequeno comparativo, em 2016 a China emitiu 1.576 cartões de residência permanente para estrangeiros (mais do que o dobro do que havia emitido no ano anterior), enquanto os Estados Unidos emitiram cerca de 750 vezes mais, com 1,2 milhões.

Além disso, ainda que a imigração da China tenha aumentado de forma modesta desde a abertura do país, muitos dos estrangeiros que imigram para lá são de herança étnica chinesa.

Embora fique para trás no quesito diversidade cultural e imigração, a economia da China cresce desenfreadamente, num alto índice de 6,6% ao ano. Caso a China permaneça crescendo neste ritmo, em aproximadamente 2030 terá ultrapassado os EUA (índice de crescimento anual de 2,9%) e se tornará a maior economia do mundo.

Sem entrar no mérito do “por quê” as pessoas imigram para os Estados Unidos e para a China, os dados nos sugerem que a experiência imigratória para a América é melhor explorada. Fica claro também que os Estados Unidos vêm bebendo, durante décadas, direto da fonte, a água limpa de diversidade cultural e atração de talentos que a China sequer experimentou.

Importante lembrar que embora a economia americana tenha uma parte de seu desenvolvimento com base na diversidade cultural, é evidente que milhares de outros pontos devem ser levados em consideração na corrida econômica dessas nações, como a sustentabilidade das medidas econômicas, saúde, segurança, governo, liberdades individuais e alianças internacionais etc.

Porém, o que chama atenção é o fato de uma economia em tamanha ascendência não ser um dos principais destinos dos imigrantes. Por quê?

Hoje existe uma enorme demanda de trabalhadores rurais do país dispostos a preencher os empregos disponíveis de baixa qualificação. Como reflexo disso, a política de imigração restritiva da China, que visa manter a estabilidade social, desencoraja os imigrantes que não são de origem étnica chinesa e concede status permanente apenas a pessoas sem origens étnicas chineses se forem líderes empresariais ou científicos importantes, ou se tiverem feito “contribuições” importantes para a China.

Tal fato prejudica o número de imigrantes em massa, mas em contraponto também permite a imigração qualificada de grandes talentos empresariais e científicos para o país.

A impressão que fica é que ambas as nações correm para o crescimento ao seu modo, sendo a política imigratória um reflexo do ambiente e cultura do seu povo. Reflete, assim, nos Estados Unidos os valores correspondentes a um ambiente de diversidade e liberdade e na China uma cultura conservadora e centralizadora.

Não é possível dizer quem está no caminho certo ou errado, até porque podem existir diversas possibilidades de caminhos certos e errados, mas uma coisa é fato: só existe um espaço no primeiro lugar da maior economia mundial e só saberá de fato quem é o vencedor desta corrida quem estiver aqui para ver.

Sobre o autor

Bernardo Brandão. Foto: Divulgação
Bernardo Brandão. Foto: Divulgação

Bernardo Brandão. Advogado e Empresário. Sócio de Mendonça e Machado Advogados. Co-fundador de Sahvana.com. Membro da Diretoria do Ibef Jovem e Ibef Academy.

Ibef Academy é o ciclo de formação do IBEF Jovem ES, focado em conteúdo das áreas de finanças e economia. Seu objetivo é melhorar o ambiente de negócios e financeiro do Espírito Santo, através da auto capacitação de seus membros nas referidas áreas. O IBEF Jovem ES, por sua vez, é o braço do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças do Espírito Santo (IBEFES) que reúne profissionais com até 35 anos.

Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do ES360.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais Colunas