A escolha para o Ministério da Saúde revela sintomas de nosso tempo - ES360

A escolha para o Ministério da Saúde revela sintomas de nosso tempo

Médicos, youtuber, militares usam redes sociais e veículos de comunicação para lançar seus nomes, num BBB macabro

Se já é assustador o fato de o país estar sem um ministro da Saúde em plena pandemia (há sinais de permanência do general Pazuelo no cargo, mas disso trataremos depois), mais assustador ainda é ver como está se dando a possível seleção do substituto de Nelson Teich no Ministério.

Não há registro de algo semelhante na história político-administrativa do país. Candidatos a ministro começaram a brotar nas redes sociais e nos veículos de comunicação aos montes. Fazendo propaganda deles mesmos. Até aí, seria mais uma maluquice desses nossos tempos malucos. Mas eles começaram a ser ouvidos pelo presidente Bolsonaro e por emissários do Planalto. Ou seja, eles são levados a sério! E a lista é enorme.

Tudo bem, dessa relação fazem parte profissionais de posições polêmicas, mas com histórico técnico, como Nise Yamaguchi. Mas dona Nise poderia ser bem mais contida em sua sanha de se colocar como opção para a Saúde. Em poucas horas, foi vista na TV, em portal da web e, lógico, no Planalto, defendendo a cloroquina e o isolamento vertical, condições fundamentais para ocupar o cargo.

As redes sociais, aliás, viraram terreno fértil para o debate. Numa delas, Allan Garcês, médico e ex-secretário de Saúde de Roraima, garantiu: seu nome não foi oficialmente sondado ao posto, mas “já chegou ao Palácio do Planalto”. Não se sabe exatamente quem levou seu nome, de qualquer forma, Garcês tem esperanças de angariar apoio nas redes bolsonaristas e chegar lá… Mas os bolsões bolsonaristas na web têm seu preferido. Não, não é Osmar Terra. Trata-se do do médico e youtuber Italo Marsili. Ele foi pra Brasília na segunda-feira. Foi recebido como estrela ascendente no aeroporto e se encontrou com deputados do PSL. Marsili vai além do apoio a cloroquina e o repúdio ao isolamento. Ele gosta de chocar com seus atos e opiniões. Em vídeo, culpa as mulheres pelas crises no sistema democrático

Italo Marsili
Italo Marsili, youtuber apiado por bolsonaristas para ser ministro da Saúde

(“É fácil você convencer a mulher a votar. É só seduzi-la. Collor se elegeu assim”). Psiquiatra de título questionável, usou métodos pouco convencionais para tratar seus pacientes. Recomendou prostitutas com rostos parecidos com os de criança para a terapia de um pedófilo. É a técnica da “dessensibilização progressiva”, explicou ele. Entusiasmado com o apoio recebido nas redes, Marsini postou, sobre sua possível indicação para o cargo: “Se vocês pressionarem, pode ser que aconteça. Eu sou o médico mais popular do Brasil hoje, tenho total domínio da linguagem, sou fiel ao Brasil e ao governo e talvez seja uma das pessoas mais bem relacionadas da saúde, além de ter total domínio em entrevistas com a mídia.” Se a escolha se efetivar, teremos um Abraham Weintraub na Saúde.

A relação de candidatos continua com o já citado Osmar Terra, para quem os números da covid-19 estavam “despencando” em São Paulo há três semanas, militares, como o vice-almirante e diretor de Saúde da Marinha, Luiz Fróes, e integrantes do Centrão, como Ricardo Barros (PP). A fauna é extensa e rica. Absurdo não é ela existir. Absurda é a maneira como se comporta, atuando como num Big Brother macabro, porque seu paredão é montado em cima de milhares e milhares de mortos. E o mais assustador é termos um governo levando tudo isso a sério… Em tempos normais, diríamos ser algo simbólico. Em época de pandemia, é mais apropriado definir como sintomático…

Enquanto isso, Pazuello fica…
Ministro “interino” da Saúde, Eduardo Pazuello já age como definitivo: nomeou um coronel para ser o número dois do ministério, escalou nove militares para sua assessoria. E já entregou para o presidente o novo protocolo para uso da cloroquina no país. A sua presença escancara de vez a militarização do governo. Mas ao menos é mais transparente: saberemos exatamente quais medidas esperar, porque Pazuello será apenas a emulação dos pensamentos e atos de Jair Bolsonaro no Ministério da Saúde.

…e Regina Durte está de saída (de novo)
Não é o assunto mais importante do momento, longe disso. Mas, novamente, é sintomático, característico do nosso momento. Enquanto, o Brasil perdia 1.147 vidas para a covid-19, surgia nova movimentação envolvendo a permanência de Regina Duarte à frente da Cultura. E o presidente esquentou ao debate postando um vídeo do ator Mário Frias. Nele, Frias se oferece para ocupar o lugar de Regina. E o presidente, ao replicá-lo, obviamente, manda seu recado. Regina deve estar arrependida de ter rompido seu contrato com a Globo…

Antonio Carlos tem 32 anos de jornalismo. E um tempo bem maior no acompanhamento dos fatos. Já viu e acompanhou muitos acontecimentos. Mas sempre é surpreendido por novos fatos, porque o inesperado é a maior qualidade das coberturas jornalísticas. E também da vida...

Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do ES360.


Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais Colunas